PUBLICIDADE
Topo

Política

Em pronunciamento, Dilma diz que vai "privilegiar" educação e manter combate à inflação

Do UOL, em São Paulo

01/05/2013 21h04

A presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta quarta-feira (1º), em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, em homenagem ao Dia do Trabalho, que enviou projeto de lei ao Congresso que prevê a destinação do total das receitas dos royalties do petróleo para o setor de educação de Estados e municípios.  A presidente afirmou ainda que o governo não vai se "descuidar do controle da inflação".

Pronunciamentos da presidente

DataTema
11.fev.2011Lema "país rico é país sem pobreza"
29.abr.2011Anúncio do plano para erradicar a miséria
6.set.2011Pronunciamento do Dia da Independência
8.nov.2011Lançamento de programas para o setor da saúde
23.dez.2011Faxina ministerial e combate ao "malfeito"
8.mar.2012Século 21 o "século das mulheres"
30.abr.2012Pedido aos bancos sobre a queda dos juros
13.mai.2012Anúncio do programa social "Brasil Carinhoso"
6.set.2012Anúncio da redução da conta de luz
23.dez.2012Balanço sobre economia e programas sociais
23.jan.2013Antecipação da redução da conta de luz
8.mai.2013Anúncio da desoneração da cesta básica

"Todos os royalties, participações especiais do petróleo e recursos do pré-sal, devem ser usados, exclusivamente, na educação", afirmou ela, ao anunciar que teria acabado de enviar uma nova proposta para o Congresso Nacional para viabilizar que 100% das receitas da exploração de petróleo sejam investidos na área.

No fim de 2012, uma proposta parecida, patrocinada pelo Palácio do Planalto, foi derrotada no Congresso. Dilma pediu para que os eleitores pressionem o Congresso.  "É importante que o Congresso Nacional aprove nossa proposta de destinar os recursos do petróleo para a educação. Peço a vocês que incentivem o seu deputado e o seu senador para que eles apoiem esta iniciativa."

Inflação

A presidente também falou sobre o combate à inflação. No início de abril, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que a inflação acumulada na gestão Dilma ultrapassou pela primeira vez o teto da meta estabelecida pela equipe econômica ao atingir uma alta de 6,59%.

"Este governo vai continuar sua luta firme pela redução de impostos e pela diminuição dos custos para o produtor e consumidor, mesmo que tenha que enfrentar interesses poderosos", afirmou ela, que acrescentou ser "mais do que óbvio que um governo que age assim e uma presidente que pensa desta maneira não vão descuidar nunca do controle da inflação."
 
A oposição aproveitou os eventos para fazer críticas à política econômica do governo. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), pré-candidato à Presidência em 2014, disse que o PT "atenta contra a democracia" e demonstra "pouca capacidade de conviver com as liberdades".
 

Outros pronunciamentos

No último pronunciamento em rede nacional, no dia 8 de março, em homenagem ao  Dia Internacional da Mulher, a presidente anunciou medidas populares, tais como a desoneração de impostos da cesta básica e as novas medidas de defesa ao consumidor. 

Neste ano, Dilma também recorreu à cadeia de rádio e televisão para anunciar a antecipação do desconto na conta de luz, assim como para descartar qualquer necessidade de racionamento de energia "no curto, no médio ou no longo prazo".

Em 2012, foram realizados cinco pronunciamentos oficiais. No Dia do Trabalho, o discurso da presidente foi direcionado aos bancos privados. Dilma Rousseff disse que era "inadmissível que o Brasil continuasse com um dos juros mais altos do mundo" e pediu que as instituições financeiras reduzissem os juros no país. 

Política