Paulo Bernardo é citado por ao menos cinco delatores da Lava Jato

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

O ex-ministro do Planejamento e das Comunicações Paulo Bernardo, preso nesta quinta-feira (23) durante a deflagração da Operação Custo Brasil, é citado por pelo menos cinco delatores da Operação Lava Jato, que deu origem à operação atual.

Paulo Bernardo foi ministro do Planejamento (2005-2011), no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e ministro das Comunicações (2011-2015), na gestão da presidente Dilma Rousseff.

Entre os delatores que já fizeram citações em seus depoimentos estão o doleiro Alberto Youssef, o ex-senador Delcídio Amaral, o ex-vereador de Americana (SP) Alexandre Romano, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e o advogado Antônio Carlos Pieruccin.

Paulo Bernardo foi preso em Brasília após a deflagração da Operação Custo Brasil, que investiga um esquema de direcionamento de licitação e pagamento de propinas.

Segundo as investigações, houve o direcionamento de licitações feitas pelo Ministério do Planejamento que beneficiaram a empresa Consist Software, que gerenciava informações sobre crédito de consignado de funcionários públicos federais.

Pelo menos R$ 7 milhões teriam sido repassados a um escritório de advocacia ligado a Paulo Bernardo, segundo as investigações.

A investigação da Operação Custo Brasil teve como ponto de partida a delação premiada do ex-vereador Romano, preso durante a 18ª fase da Operação Lava Jato, a Pixuleco 2. Segundo os investigadores, foi ele quem detalhou o esquema do qual Paulo Bernardo se beneficiava.

Além dele, outros quatro delatores já citaram Paulo Bernardo desde o início da Operação Lava Jato.

Delatores citam Paulo Bernardo

O primeiro foi o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Em setembro de 2014, em um de seus depoimentos, Costa disse que, no início de 2010, o doleiro Alberto Youssef o procurou afirmando ter recebido um pedido de Paulo Bernardo no valor de R$ 1 milhão para a campanha de sua  mulher, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ao Senado.

Paulo Roberto Costa disse que autorizou Alberto Youssef a fazer o repasse à campanha de Gleisi, pois, "caso contrário haveria reclamação".

O doleiro Alberto Youssef, por sua vez, disse que o pedido de Paulo Bernardo não teria sido feito a ele, mas a Paulo Roberto Costa. "Paulo Roberto Costa disse que Paulo Bernardo o procurou e pediu ajuda para a campanha de Gleisi para o Senado em 2010", disse Youssef em um de seus depoimentos.

Ex-colega de partido de Paulo Bernardo, o ex-senador Delcídio Amaral também citou o marido de Gleisi em seus depoimentos.

De acordo com sua delação, a Consist Software "sempre atuou como braço financeiro dos mesmos [Paulo Bernardo e Gleisi], e como mantenedora das despesas do mandato da senadora Gleisi nos últimos anos". Ainda de acordo com a delação de Delcídio, haveria "provas incontestáveis" sobre o assunto.

Outro delator a citar Paulo Bernardo foi Antonio Carlos Brasil Fioravante Pieruccin. Em sua delação, ele confirmou repasses de dinheiro para a campanha de Gleisi a pedido de Alberto Youssef e que os valores repassados haviam sido combinados com Paulo Bernardo.

A delação de Pieruccin foi uma das que deu origem à denúncia feita pela PGR (Procuradoria Geral da República) contra Paulo Bernardo e Gleisi ao STF (Supremo Tribunal Federal) em maio deste ano. O STF ainda não se pronunciou sobre a denúncia.

À época em que denúncia foi feita, a defesa de Gleisi Hoffmann se manifestou rebatendo as alegações feitas pela PGR de que ela teria recebido dinheiro de origem ilegal a pedido de seu marido.

Em nota, os advogados que defendem a senadora e o ex-ministro, Rodrigo Mudrovitsch e Verônica Abdala Sterman, contestam as suspeitas.

"Todas as provas que constam no inquérito comprovam que não houve solicitação, entrega ou recebimento de nenhum valor por parte da senadora. A denúncia sequer aponta qualquer ato concreto cometido. Baseia-se apenas em especulações que não são compatíveis com o que se espera de uma acusação penal", diz um trecho da nota.

Em relação às citações feitas por delatores, a defesa afirma que eles são contraditórios. "São inúmeras as contradições nos depoimentos dos delatores que embasam a denúncia, as quais tiram toda a credibilidade das supostas delações. Um deles apresentou, nada mais, nada menos, do que seis versões diferentes para esses fatos, o que comprova ainda mais que eles não existiram", diz a defesa.

Senadores do PT e do PSDB criticam ação da PF que prendeu Paulo Bernardo

  •  

 

Receba notícias de Política pelo Whatsapp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 (11) 97532-1358 (não esqueça do "+55"); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: brasil3000.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos