PUBLICIDADE
Topo

Política

Fiz 'possível e impossível' para conter crise, diz Dilma

Dilma: "Eu não sou duas mulheres, eu sou uma mulher. Por isso me referi à minha vida - Edilson Rodrigues/Agência Senado
Dilma: "Eu não sou duas mulheres, eu sou uma mulher. Por isso me referi à minha vida Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

29/08/2016 20h04

A presidente afastada, Dilma Rousseff, disse em depoimento no Senado nesta segunda (29), no processo de impeachment, ter feito "todo o possível e o impossível para que o país não tivesse uma crise tão profunda."

A resposta foi dada ao senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), para quem o governo da petista privilegiou pagamentos a bancos privados e questionou a imposição de "sacrifícios" aos brasileiros se a economia estava em ordem. Segundo Tasso, "quem está sob julgamento não é a mulher que enfrentou a ditadura, e sim a presidente da República Dilma Rousseff."

Dilma respondeu: "Eu não sou duas mulheres, eu sou uma mulher. Por isso me referi à minha vida, e dela tenho muito orgulho". A presidente afastada também declarou que "a crise atingiu todos os países emergentes" e que o Congresso não só não aprovou integralmente as propostas do governo para o ajuste fiscal, como levou adiante as chamadas pautas-bomba que, segundo Dilma, onerou o governo em cerca de R$ 100 bilhões. "Junto com isso começa a Lava Jato", lembrou a presidente afastada.

Opinião: No Senado, Dilma não consegue nenhum voto contra impeachment

UOL Notícias

"Eu enfrentei uma sistemática disposição um clima propício ao impeachment", afirmou Dilma, alegando também que "chantagens explícitas" por parte do deputado afastado Eduardo Cunha tiveram espaço em toda a mídia brasileira, "que não prima por ser muito favorável ao meu governo".

Para a presidente afastada, a intenção com a acusação de crime de responsabilidade é "reverter a relação de causa e efeito", como se os decretos de créditos suplementar e as pedaladas fiscais fossem responsáveis pela crise -- que provocou, segundo ela, "queda vertiginosa de receita". Dilma afirmou que os parlamentares não tiveram "nenhuma sensibilidade para o país sair da crise". "Se nós continuarmos nessa batida, a crise este ano vai se aprofundar ainda mais, e ano que vem não haverá recuperação", disse.

São Paulo tem manifestação a favor de Dilma na avenida Paulista

UOL Notícias

Política