Operação Lava Jato

Procurador diz que Câmara "destruiu" medidas e juiz promete recorrer ao STF

Leandro Prazeres e Wellington Ramalhoso

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

  • Alan Marques/Folhapress

    Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comandou a votação na Casa

    Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comandou a votação na Casa

O presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores Federais), José Robalinho Cavalcanti, reagiu ao projeto de lei aprovado nesta madrugada pela Câmara dos Deputados e disse que os parlamentares "destruíram" o pacote de dez medidas contra a corrupção enviado pelo MPF (Ministério Público Federal). "O pacote não foi aprovado. O projeto original foi absolutamente destruído", afirmou o procurador.

O presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), Roberto Veloso, disse que, se o projeto for aprovado pelo Senado, a entidade vai recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal).

LEIA TAMBÉM: VEJA COMO CADA DEPUTADO VOTOU A EMENDA SOBRE ABUSO DE AUTORIDADE

Na madrugada desta quarta-feira (30), deputados aprovaram o texto-base do projeto de lei que, originalmente, previa a adoção de dez medidas contra a corrupção e tinha o apoio de pelo menos 2 milhões de pessoas. Em meio a polêmicas, o projeto foi alterado pelos congressistas e, das medidas originais, apenas quatro itens restaram: criminalização do caixa 2 de campanha eleitoral, o aumento na punição a crimes de corrupção, transparência para tribunais na divulgação de dados processuais e limitação de recursos para evitar medidas protelatórias.

Além de retirar diversas medidas previstas pelo pacote original, a Câmara incluiu a punição a juízes e promotores por abuso de autoridade durante a condução de processos ou investigações.

LEIA TAMBÉM: AUTOR DE EMENDA CONSIDERADA "RETALIAÇÃO" AO MP E AO JUDICIÁRIO É INVESTIGADO PELO STF

A aprovação do projeto pela Câmara causou uma série de manifestações contrárias de entidades ligadas ao judiciário. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse, por meio de nota, que a decisão dos parlamentares coloca o Brasil em "marcha a ré no combate à corrupção". 

Robalinho afirmou que a Câmara é soberana em suas decisões e que elas precisam ser respeitadas, porém o sinal emitido pelos congressistas durante a votação desta quarta-feira foi o de que o pacote das dez medidas contra a corrupção foi rejeitado.

Não dá para chamar o que foi aprovado de pacote contra a corrupção. Os deputados deixaram claro um sinal de que a proposta original foi rejeitada

José Robalinho Cavalcanti, presidente da ANPR

Em sua opinião, a inclusão de punições a juízes, promotores e procuradores durante a condução de processos é uma tentativa do Parlamento de retaliar o Judiciário e prejudica a apuração de crimes de corrupção. "Há um sentimento de que o que houve foi um sentimento contrário a toda a magistratura e que foi aberta uma chance de vingança contra ela".

Para Roberto Veloso, da Ajufe, o pacote de medidas enviado pelo MPF foi completamente "desfigurado" e, em vez de coibir a corrupção, ele vai incentivá-la. "O projeto foi totalmente desfigurado. Eram dez medidas contra a corrupção e, ao final, o projeto se transformou em medidas pró-corrupção."

Eu acho que é retaliação contra as investigações que estão em curso, principalmente as investigações da Lava Jato

Roberto Veloso, presidente da Ajufe

Ele também afirmou que a punição contra membros do judiciário é uma "retaliação" às investigações contra políticos. "Eu acho que é retaliação contra as investigações que estão em curso, principalmente as investigações da Lava Jato. Trata-se, sim, de retaliação. O que a sociedade espera é que haja instrumentos para a magistratura e o MP (Ministério Público) enfrentarem a corrupção, e não medidas que impeçam o Judiciário de fazer o seu trabalho."

Veloso disse ainda que, se o projeto aprovado pela Câmara passar pelo Senado, a Ajufe deverá ingressar com uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) questionando a legalidade das medidas. "Se for aprovado no Senado como foi aprovado na Câmara, se isso se tornar uma lei, vamos entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade."

Pressa e ilusão

Na Defensoria Pública do Estado do Rio, que criticou algumas medidas durante a tramitação do projeto, o coordenador de Defesa Criminal, Emanuel Queiroz, viu com pessimismo a aprovação pela Câmara.

As críticas iniciais da Defensoria do Rio foram dirigidas a propostas como a de validação de provas obtidas por meio ilícito. Apesar da retirada desta e de outras medidas criticadas, Queiroz declarou que a aprovação não beneficia o país.

O defensor público disse que sua categoria se depara com abusos de integrantes do Ministério Público e da Justiça, mas que o momento não é adequado para a aprovação de punições a essas práticas. "Fomos surpreendidos. Isso não era objeto central do debate e aparece uma emenda nesse sentido. Não é assim que vamos construir uma sociedade melhor. A gente precisa de pacificação e serenidade."

Em sua opinião, o Ministério Público também errou na forma como conduziu a proposta. "Talvez o grande equívoco dessa história seja a pressa dos atores que levaram essa discussão [ao Congresso] de forma panfletária, sem debate profundo. O Brasil precisa deixar de vender ilusões para a sociedade de que alterações emergenciais na legislação vão resultar na solução dos nossos problemas."

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos