Operação Lava Jato

EUA identificam três empresas usadas pela Odebrecht para pagar propinas

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

  • Zanone Fraissat/Folhapress

    Prédio onde fica localizada a sede da Odebrecht em São Paulo

    Prédio onde fica localizada a sede da Odebrecht em São Paulo

O DOJ  (Departamento de Justiça) dos Estados Unidos identificou três empresas criadas em paraísos fiscais pela Odebrecht para pagar propinas a agentes públicos em diversos países.

As informações constam no documento "Informação Odebrecht", divulgado pelo governo americano, que assinou nesta quarta-feira (21) acordo de leniência com o grupo baiano, como revelou o jornal "Folha de S. Paulo.

As offshores Smith & Nash Engineering Company Golac Projects and Construction Corporation (ambas baseadas nas Ilhas Virgens Britânicas) e Arcadex Corporation (baseada em Belize) eram braços operacionais do "Departamento de Operações Estruturadas" da construtora brasileira.

Descoberto em março pela Operação Lava Jato, o departamento era o setor responsável pelo pagamento de propinas da Odebrecht

De acordo com o documento do governo americano, as empresas foram usadas pela Odebrecht "para levar adiante o esquema de propinas, esconder e disfarçar pagamentos impróprios feito em benefício de servidores públicos estrangeiros e partidos políticos estrangeiros em vários países". Os recursos dessas empresas foram usados para realizar "direta ou indiretamente" pagamentos indevidos a funcionários públicos.

US$ 1 bilhão em propinas

O  DOJ dos Estados Unidos revelou que o grupo Odebrecht pagou US$ 599 milhões em propinas para servidores públicos e políticos brasileiros (ou R$ 1,9 bilhão ao câmbio atual) e mais US$ 439 milhões (R$ 1,4 bilhão) em outros 11 países. Esse total inclui o montante pago pela Braskem, controlada pelo grupo empresarial baiano, informou a Folha.

Ainda segundo o DOJ, os valores relativos à empreiteira são ligados a "mais de 100 projetos em 12 países, incluindo Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela".

Por que a delação da Odebrecht aterroriza os políticos?

Em troca dessas propinas, afirmam as autoridades americanas, a Odebrecht obteve pelo menos R$ 12 bilhões, ao câmbio de hoje, em benefícios com contratos nesses países. O esquema de repasses, de acordo com as autoridades americanas, funcionou entre 2001 e 2016.

O documento é assinado por dois investigadores do governo norte-americano, Robert L. Capers, procurador de Justiça, e Andrew Weissmann, chefe da Seção de Fraude da Divisão Criminal do Departamento de Justiça.

Acordo assinado

A força-tarefa da Operação Lava Jato confirmou, nesta quarta-feira (21), que foi feito acordo de leniência com a Odebrecht e a Braskem. Firmados em 1º e 14 de dezembro, respectivamente, os acertos para colaboração garantem a devolução de cerca de R$ 7 bilhões aos cofres públicos e vítimas da corrupção na Petrobras e em outras esferas do Poder, segundo o MPF (Ministério Público Federal). O acordo foi feito em conjunto com autoridades brasileiras, suíças e americanas, e por isso o dinheiro irá para os três países.

Outro Lado

O  UOL telefonou ao menos três vezes na noite de quarta-feira para a assessoria de imprensa da Odebrecht para que o grupo comentasse as informações contidas no relatório das autoridades americanas. Ninguém atendeu as ligações.

Em nota pública divulgada à imprensa nas últimas semanas, a Odebrecht tem reafirmado "seu compromisso de colaborar com a Justiça". "A empresa está implantando as melhores práticas de compliance, baseadas na ética, transparência e integridade", declarou.

No início do mês, a Odebrecht também divulgou um pedido de desculpas público e admitiu práticas impróprias

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos