Operação Lava Jato

Delações da Odebrecht homologadas por Cármen Lúcia estão nas mãos de Janot

Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

  • Fellipe Sampaio/SCO/STF - 7.dez.2016

    Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vai analisar conteúdo das delações

    Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vai analisar conteúdo das delações

Já estão nas mãos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, as 77 delações premiadas feitas por executivos e ex-executivos da Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato.

Os acordos de colaboração chegaram à PGR (Procuradoria-Geral da República) nesta segunda-feira (30), mesmo dia em que foram homologadas pela presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia.

A partir de agora, caberá a Janot analisar o conteúdo dessas delações. O procurador terá algumas opções: apresentar denúncia imediata; abrir inquéritos para investigar os fatos e nomes citados pelos delatores; e encaminhar para outras instâncias judiciais --STJ (Superior Tribunal de Justiça], Justiça comum etc.-- casos que não envolverem pessoas com foro privilegiado.

Questionado hoje por jornalistas sobre os próximos passos do caso, Janot se limitou a afirmar que "não é hora de falar sobre isso".

À tarde, o procurador se reuniu rapidamente com a ministra Cármen Lúcia, encontro que não estava previsto nas agendas de ambos. Ele saiu da reunião sem falar com a imprensa.

Cármen Lúcia homologa delação da Odebrecht; o que isso significa?

Homologação

Cármen Lúcia homologou os acordos de delação premiada da Odebrecht menos de uma semana após Rodrigo Janot ter pedido a ela urgência na avaliação das colaborações.

Um dia depois de se reunir com o procurador, a presidente do STF determinou a continuidade dos trabalhos da equipe do ex-ministro Teori Zavaski, que morreu no dia 19 deste mês após a queda de um avião em Paraty (RJ). Teori era relator da Lava Jato na Suprema Corte do país e estava prestes a homologar as delações.

Delações da Odebrecht

A colaboração de executivos e ex-executivos da empreiteira baiana foi negociada durante meses e é considerada a mais explosiva da Lava Jato. 

Em dezembro do ano passado, veio a público a colaboração de Cláudio Melo Filho, ex-diretor de relações institucionais da empresa e um dos primeiros a depor. Em sua delação, ele citou, entre outros nomes, o presidente Michel Temer, os ministros Moreira Franco (Programa de Parcerias e Investimentos), Eliseu Padilha (Casa Civil) e os senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL).

Outros delatores também citaram os ex-presidentes petistas Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). (Com Estadão Conteúdo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos