Operação Lava Jato

Fã de Homem-Aranha e Batman, Moro é figura "discretíssima" em banca de Curitiba

Janaina Garcia

Do UOL, em Curitiba

  • Janaina Garcia/UOL

    As revistas de histórias em quadrinhos do Batman e do Homem-Aranha são as favoritas do juiz Sergio Moro, segundo o funcionário de uma banca em Curitiba

    As revistas de histórias em quadrinhos do Batman e do Homem-Aranha são as favoritas do juiz Sergio Moro, segundo o funcionário de uma banca em Curitiba

Em julho de 2015, em um evento em São Paulo, o juiz federal Sergio Moro arrancou olhares de surpresa e até alguns risos da plateia ao citar um personagem de história em quadrinhos para dizer o que achava da própria responsabilidade quanto ao combate à corrupção. Já ali um dos principais nomes da Operação Lava Jato –Moro a coordena pela primeira instância, na 13ª Vara Federal --, o magistrado citaria a uma plateia composta basicamente por jornalistas uma frase do tio do Homem-Aranha, herói da Marvel vivido, também na ficção, pelo jornalista Peter Parker: ""Quanto maior o poder, maior a responsabilidade'. Acho que o sistema tem que ser construído em cima disso", afirmara o juiz durante congresso da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), do qual era convidado.

Quase dois anos depois, o funcionário de uma banca de jornais e revistas no bairro do Juvevê, em Curitiba, dá a letra: o juiz que interrogará o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta quarta-feira não era fã do Homem-Aranha –ainda é. E também do Batman, herói da DC Comics cujo correspondente na realidade virtual da HQ é o empresário Bruce Wayne, que tenta fazer justiça aos próprios modos. Como, aliás, o herói da Marvel.

"Ele vem aqui umas duas vezes na semana. Leva revistas do Batman e do Homem-Aranha, e, às vezes, jornais e revistas semanais. É tão discreto que muita gente nem percebe que está aqui –às vezes, quando percebem, pedem uma selfie ou um autógrafo, mas nada tão exagerado", afirmou, sob anonimato, o funcionário. "Eu diria que ele é discretíssimo", complementa.

A figura de Moro, por sinal, estampa livros sobre ele e revistas com o "duelo Moro x Lula" na capa já na entrada da banca. Uma das publicações, mensal, o traz em uma caricatura de sacerdote celebrando uma missa na selva –com figuras como Lula, a ex-presidente Dilma Rousseff e o presidente Michel Temer e outros réus da Lava Jato olhando assustados ao juiz. O procurador Deltan Dallagnol e o procurador-geral da República Rodrigo Janot reverenciam o "sacerdote" Moro.

"No sábado passado, mesmo, ele [Moro] veio aqui. Perguntei se ele 'agora virou padre', mas não vi a reação do juiz porque tinha muita gente na banca. Sei que ele não levou essa revista", comentou o funcionário. "Quando a mulher dele [a advogada Rosangela Wolff Moro] foi capa de uma revista feminina, teve um certo burburinho, muita gente comprou. Às vezes, se ele está aqui e a pessoa percebe, compra um dos livros sobre ele e pede um autógrafo", relata, para ressalvar: "Mas já vi gente que bem lulista ou petista agitar, agitar e, quando o vê aqui, não fala nada sobre a Lava Jato".

O que acha do embate ideológico que se tornou, para as militâncias pró-Lava Jato e pró-Lula, o interrogatório do ex-presidente esta semana? "Acredito que só quem conheça muito de ideologia política fomente isso. Porque vende a coisa como o caos para, depois, vir com a solução, né? Acho que essa briga tem muito disso", filosofa.

Ouvindo a conversa, outro funcionário pede para a repórter registrar: "Eu quase não acreditei quando vi na TV que o cara que comprava charuto era o chefe da Operação Lava Jato", diz, entusiasmado. Ele recebe um olhar de reprovação do colega e emenda: "Mas comprava esses charutos anos atrás, viu? E aqui na banca o pessoal é bem neutro, tá?", arremata. Mas neutros, ele jura, são os vendedores.

Janaina Garcia/UOL
As ruas do Bacacheri, bairro onde Sergio Moro vive com a família, têm pouco do movimento das imediações do prédio da Justiça Federal, no Ahú, onde ele despacha

Vizinhos de Moro destacam "banalidade" de rotina

A rotina aparentemente banal do juiz que mais desponta no noticiário nos anos recentes é reforçada por vizinhos dele no bairro do Bacacheri, área com forte presença militar por conta dos batalhões do Exército e da Aeronáutica nas imediações. Ninguém, no entanto, permite se identificar por fotos ou pelos nomes assim que o assunto é exposto pela reportagem.

Vizinha de frente do prédio onde Moro vive com a família, uma aposentada de 81 anos conta que a presença do juiz ali nunca afetou a rotina pacata da região. "Aqui é tudo muito calmo, ainda que eu sempre tenha medo de assalto. Mas se uma pessoa tentar atirar no doutor Moro, sou capaz de entrar na frente", afirma, ela que garante sempre vê-lo sair "andando, a pé, para ir correr na praça aqui perto ou no clube". Moro é sócio de um clube social também nas imediações.

Se já fez foto com o vizinho ilustre? A aposentada garante que não. "Porque ele é só uma pessoa pública, mas não é um artista, nem um cantor, né?", justifica. A irmã dela de 76 anos, também aposentada, avisa que "estou sempre rezando por ele e pela família dele". "Ele usa bermuda, chinelo, tênis, toma café na padaria da esquina... é uma pessoa absolutamente normal", assegura, mas admite, por outro lado, "nunca" ter visto o magistrado. Anti-Lula, a mulher diz torcer para que "o doutor Moro" prenda aquele que, na análise dela, pode ser o algoz das expectativas na eleição de 2018. "Não assisto TV, não preciso mais votar, mas sei que, se o doutor Moro não prender esse homem, ele se elege de novo", aposta.

Em lava a jato, funcionários nunca viram o juiz da Lava Jato

O ex-presidente será interrogado pelo processo em que foi acusado pelo MPF (Ministério Público Federal) do Paraná de receber como parte do pagamento de propinas pela OAS –em troca de três contratos da empreiteira com a Petrobras –um tríplex no edifício Solaris, no Guarujá, no ano de 2009. Lula nega a posse e mesmo qualquer pedido sobre o imóvel.

Próximo ao prédio do juiz, funcionários de um lava a jato dão risada ao serem indagados sobre o vizinho famoso. "A gente trabalha em lava a jato, mora perto do juiz da Lava Jato e só sabe a cara que ele tem pelas notícias, por que nunca o vê por aqui", diz um funcionário enquanto lustra um carro importado. "É tanto trabalho também aqui para a gente que nem daria tempo, mesmo, de procurá-lo por aí – mas espero que esteja bem", desdenha.

Dos prédios todos mais próximos ao de Moro, apenas um ostentava uma bandeira do Brasil –o que virou ícone de apoio à Lava Jato –na sacada, nesta segunda-feira (8), em contraste com as diversas bandeiras de prédios de outras áreas mais nobres de Curitiba e também da cidade de São Paulo, por exemplo. Na padaria onde o juiz toma café, o símbolo pátrio está na parede à frente ao lado da máquina que prepara a bebida. Se o assunto for Moro, no entanto, esqueça: ali "ninguém tem autorização para falar".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos