"Não seria correto com o país" o PSDB deixar o governo Temer, diz Alckmin

Do UOL, em São Paulo

  • Igor do Vale/Estadão Conteúdo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu nesta segunda-feira (22) que seu partido, o PSDB, não deixe a base de apoio ao presidente Michel Temer (PMDB) em meio à crise política gerada pela delação da JBS envolvendo o peemedebista.

"Neste momento, não", respondeu Alckmin, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes (sede do governo paulista), ao ser indagado se o PSDB deixaria a base de Temer. "Não teria sido correto para com o país", justificou.

Para o tucano, um dos nomes para a disputa da Presidência em 2018, o momento é de aguardar os desdobramentos dos fatos "e qual a solução. Temos que participar da solução", disse, sem entrar em detalhes.

Na avaliação do governador, entretanto, "é uma situação grave". "Não podemos deixar a economia se deteriorar", disse, defendendo que as reformas propostas por Temer –como a da Previdência e a trabalhista –não sejam abandonadas mesmo em meio à crise política que envolve Planalto e Congresso.

A posição do governador paulista contrasta com a do PSDB do Rio, que, nesse fim de semana, defendeu não só o desembarque do PSDB do governo Temer, como a renúncia do presidente –sob ameaça de o próprio partido ingressar, a exemplo do definido pelo Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), com um pedido de impeachment.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos