Citado em delações, governador de SC é alvo de dois pedidos de impeachment

Aline Torres

Colaboração para o UOL, em SC

  • Pablo Gomes/Agencia RBS

    Raimundo Colombo (PSD) é alvo de dois pedidos de impeachment

    Raimundo Colombo (PSD) é alvo de dois pedidos de impeachment

Dois pedidos de impeachment foram protocolados nesta terça-feira (23) na Assembleia Legislativa de Santa Catarina contra o governador do Estado, Raimundo Colombo (PSD). As solicitações foram abertas com base em delações recentes de executivos da Odebrecht e da JBS e também na acusação de crime de responsabilidade por suposta manobra no orçamento estadual, a chamada pedalada.

Na segunda-feira, o acordo da JBS com a Procuradoria-Geral da República já havia derrubado o homem forte do governo catarinense, o secretário da Fazenda Antonio Gavazzoni, citado diretamente nos escândalos políticos.

O primeiro pedido de impeachment foi protocolado por integrantes do PSOL de Santa Catarina: os vereadores Marcos José de Abreu, o Marquito, e Afrânio Boppré, além do presidente estadual da sigla, Rafael Rodrigo de Melo.

"Nossa intenção é provocar o poder competente. As delações são muito detalhadas e o governador está totalmente envolvido. Tanto que o homem forte do seu governo, o Gavazzoni renunciou. Indício de que a delação mexeu na estrutura do governo", disse Boppré.

Para que os pedidos sejam válidos, é preciso que o presidente da Assembleia, Silvio Dreveck (PP), opte pela admissibilidade. Mas não há prazo definido por lei para esse pronunciamento, e ele informou que não irá comentar o caso.

Caso o pedido seja levado adiante pelo presidente, será enviada uma cópia do processo ao governador, que terá prazo de 15 dias para se manifestar. Paralelamente, a presidência determinará a criação de uma Comissão Especial, com nove membros e formada de acordo com a proporcionalidade partidária presente no Legislativo estadual. O colegiado terá a tarefa de emitir parecer sobre o processo e sobre a defesa do governador, em até 15 dias, a contar da sua instalação. Esse período poderá ser adiado por até 60 dias. Se a representação for acatada por dois terços dos membros da Assembleia, o governador é deposto.

Citado nas delações

Em abril, veio à tona que Colombo e a cúpula do PSD teriam pedido R$ 17,1 milhões em caixa 2 para representantes da Odebrecht entre 2010 e 2015. O governador foi citado pelos diretores Fernando Reis e Paulo Welzel, que informaram que a empreiteira tinha interesse em ampliar a atuação em saneamento no Estado e percebia a oportunidade no projeto de privatização da Casan (Companhia Catarinense de Água e Saneamento).

Como a Constituição Estadual exigia que qualquer transferência de ações da estatal tivesse a autorização do Legislativo e de referendo popular, uma Emenda Constitucional chegou a ser apresentada e aprovada na Assembleia Legislativa em 2011. Porém, o negócio não seguiu adiante porque o governo avaliou que o valor de mercado da Casan estava abaixo do que pretendia e decidiu recuar da intenção de atrair um sócio privado.

A Casan também seria o alvo da negociação com a JBS. A empresa teria intenção de comprar a Casan através de um braço de construção civil. Segundo o delator Ricardo Saud, conforme delação com sigilo quebrado na última sexta-feira (19), a JBS buscava a criação de uma construtora para investir no setor de saneamento. A Casan estava entre os objetivos da JBS, e por isso diretores da empresa teriam acordado a propina de R$ 10 milhões em troca de um facilitador no edital de licitação.

Suposta pedalada

Também nesta manhã (23), foi protocolado outro pedido de impeachment pelo Fórum Estadual de Defesa do Serviço Público. O documento foi assinado por 30 pessoas, entre juristas, líderes sindicais e parlamentares.

A principal fundamentação é a operação financeira que permitiu à Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) destinar o dinheiro dos impostos pagos em 2015 ao Fundosocial do Governo, ao invés de contabilizar como receita tributária. De acordo com o Fórum, a operação financeira teria acontecido de abril de 2015 a maio de 2016, sob a pressão do governo, acionista majoritário da empresa, com o intuito de impedir a distribuição obrigatória dos recursos, como prevê a Constituição Estadual.

"Estimamos que neste período a manobra envolveu cerca de R$ 1 bilhão, dos quais cerca de R$ 300 milhões deixaram de ir para os municípios, R$ 150 milhões para a educação, R$ 100 milhões para a saúde. Poderes e órgãos públicos, como o Tribunal de Justiça, Ministério Público e Udesc [Universidade de Santa Catarina] também perderam cerca de R$ 150 milhões, fora o que deixou de integrar a base de cálculo do Fundeb [Fundo para a Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação]", disse Sidnei Silva, que é auditor fiscal do Tribunal de Contas do Estado e presidente do Sindicato de Auditores Fiscais de Controle Externo do órgão.

O governador Raimundo Colombo nega todas as acusações. "Irei trabalhar ainda mais para garantir crescimento e geração de empregos. Lembrando que Santa Catarina é um dos poucos estados do país onde os salários dos servidores estão em dia", disse.

Um outro pedido de impeachment contra o governador já havia sido registrado no dia 26 de outubro do ano passado, mas foi arquivado pelo presidente da Assembleia Legislativa na época, deputado Gelson Meriso (PSD).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos