Protesto contra Temer na Câmara tem empurra-empurra e confusão

Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

Deputados de oposição ao governo federal ocuparam a Mesa Diretora da Câmara na tarde desta quarta-feira (24) em protesto contra o presidente Michel Temer (PMDB) e pediram o encerramento dos trabalhos na Casa. Vice-presidente da Câmara, André Fufuca (PP-MA), suspendeu a sessão por dez minutos depois de uma confusão.

Houve empurra-empurra entre o vice-líder do governo, Darcísio Perondi (PMDB-RS) e oposicionista Edmilson Rodrigues (PSOL-PA).

"Lamentável o comportamento da oposição. Triste", declarou Perondi.

Governistas gritaram para que Fufuca, que na ausência do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), preside a sessão, reiniciasse os trabalhos. Rodrigo Maia assumiu a presidência instantes depois.

Governistas protestaram veementemente contra os colegas que ocuparam a Mesa e um deles chegou a arrancar um cartaz da mão de um adversário.

Oposicionistas cobram de Maia que ele acolha um pedido de impeachment contra Temer e clamam por eleições diretas já.

Mais cedo, Maia disse que os pedidos de impeachment não podiam ser tratados como "drive-thru".

Vice-líder da oposição, Silvio Costa (PTdoB-PE) foi voz dissonante e colocou o seu cargo à disposição ao criticar o comportamento dos aliados. "Não posso concordar com a banalização do Parlamento. Não é assim que se constrói nada", declarou.

Diante de apelos para convocar uma reunião de líderes, Rodrigo Maia disse que não poderia falar de qualquer acordo enquanto a Mesa Diretora estivesse ocupada.

A confusão dentro do plenário da Câmara ocorre ao mesmo tempo em que, do lado de fora, na Esplanada dos Ministérios, manifestantes e policiais entram em confronto.

Deputados trouxeram cápsulas de bombas jogadas pelos policiais em manifestantes do lado de fora e colocaram sobre a Mesa.

"Tem pessoas feridas lá fora. Na semana passada, quando foi divulgada a notícia de que o presidente Michel Temer foi gravada, vossa Excelência suspendeu imediatamente a sessão e foi se encontrar com ele no Palácio do Planalto. Será que agora vai virar as costas para o povo?", Glauber Braga (PSOL-RJ).

Protesto provoca evacuação da Esplanada

Todos os prédios da Esplanada dos Ministérios estão sendo evacuados na tarde desta quarta-feira após os ministérios da Agricultura e da Fazenda sofrerem um incêndio do lado externo. Os funcionários dos ministérios estão estão sendo retirados dos prédios pelas saídas dos fundos. Para evitar que manifestantes se aproximem do Congresso Nacional, a Polícia Militar do DF faz uso de bombas de gás lacrimogêneo. 

Um manifestante foi ferido gravemente e perdeu parte da mão, segundo apurou reportagem do UOL. Outro manifestante foi ferido a bala. A confusão começou quando os manifestantes tentaram furar uma barreira feita pela polícia para se aproximar do Congresso. A todo momento, grupos de policiais tentam dispersar manifestantes, que estão espalhados pela Esplanada dos Ministérios. Vários atiram pedaços de pau e pedras em direção aos policiais, enquanto os trios elétricos das centrais sindicais estão praticamente no meio do fogo cruzado.

A Marcha das Centrais Sindicais, como está sendo chamado o ato, protesta contra as reformas propostas pelo governo federal e pede a renúncia do presidente Michel Temer. Os manifestantes se reuniram pela manhã em frente ao estádio Mané Garrincha e depois seguiram em caminhada até o Congresso passando pela Esplanada dos Ministérios.

Mais cedo, um grupo pequeno de pessoas com rostos cobertos provocam os policiais, jogando garrafas de água e pedaços de madeira contra os agentes e tentando furar a barreira colocada na avenida das Bandeiras, em frente ao Congresso.

Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
Polícia joga bombas de gás contra manifestantes

Em reação, policiais militares a cavalo lançaram bombas e atiraram balas de borracha em direção aos manifestantes no gramado da Esplanada. Forças de segurança fizeram outras barreiras nas pistas da Esplanada, também lançando bombas de gás contra manifestantes.

Mais cedo, a estimativa da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal era que cerca de 35 mil pessoas participavam da marcha. Brasília recebeu 500 ônibus com caravanas de outros Estados que vieram à capital para o protesto.

Durante a marcha, líderes sindicais anunciaram no carro de som que nenhum mascarado ia entrar no movimento. "Estamos de olho", anunciaram e pediam que quem estiver com o rosto coberto que tirasse a máscara.

Parlamentares de partidos da oposição se juntaram à marcha por volta de 13h e subiram em um dos carros de som que cruzava a Esplanada dos Ministérios, mas disseram que só iam discursar quando estiverem na frente do Congresso Nacional.

Entre eles, estão os senadores Lindbergh Farias (RJ), Paulo Rocha (PA) e Gleisi Hoffman (PR), todos do PT, e a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos