PGR faz novo pedido de prisão de Rocha Loures

Bernardo Barbosa

Do UOL, em Brasília*

  • Bruno Santos/ Folhapress

    O ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR)

    O ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR)

A PGR (Procuradoria-Geral da República) apresentou ao ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), novo pedido de prisão contra o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), também ex-assessor do presidente Michel Temer (PMDB). O novo pedido foi apresentado na noite desta quinta-feira (1º).

Segundo nota divulgada pela PGR, o procurador-geral Rodrigo Janot pediu que Fachin reconsidere o pedido baseado no fato de que Rocha Loures perdeu a prerrogativa de função ao deixar de ser deputado federal - ele perdeu o cargo e voltou a ser suplente quando o ex-ministro Osmar Serraglio retomou sua cadeira na Câmara.

Loures foi flagrado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil das mãos de Ricardo Saud, um dos executivos do frigorífico JBS que fez acordo de delação premiada.

Segundo os delatores da empresa, Loures atuaria como intermediário de Temer junto à JBS, atendendo aos interesses da empresa no governo. Os R$ 500 mil seriam parte de uma série de pagamentos em troca da intercessão do ex-assessor do presidente em causas favoráveis à companhia.

Em conversa gravada por Joesley Batista, dono da JBS, Temer teria dito ao empresário que Loures era quem Joesley deveria procurar para tratar de interesses da empresa junto ao governo. A defesa do presidente nega que a gravação corresponda "à realidade do diálogo".

Loures era o primeiro suplente da bancada do PMDB do Paraná na Câmara dos Deputados, e conquistou o mandato com a nomeação de Osmar Serraglio (PMDB-PR) para o Ministério da Justiça. Com a ida de Torquato Jardim para a pasta e a negativa de Serraglio em assumir o Ministério da Transparência, o ex-ministro voltou à Câmara, deixando Rocha Loures sem mandato.

Fora da Câmara, o ex-assessor de Temer deixa de ter direito ao foro privilegiado --ou seja, o direito de ter processos contra si analisados diretamente no STF (Supremo Tribunal Federal). No entanto, como Rocha Loures está sendo investigado no mesmo inquérito do presidente, seu processo continua no Supremo.

Na manhã desta quinta, Serraglio reassumiu seu mandato na Câmara dos Deputados. O cargo foi oficialmente retomado no fim da manhã com o protocolo na Secretaria-Geral da Mesa, pela assessoria do parlamentar, da documentação de sua exoneração do cargo de ministro da Justiça.

A reportagem do UOL entrou em contato com o escritório de Cezar Bittencourt, advogado de Loures, mas ele não foi encontrado até a última atualização deste texto.

 

Vídeo mostra deputado ligado a Temer recebendo propina

 

Suspeitas sobre Rocha Loures

Rodrigo Rocha Loures é investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) após ter sido flagrado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil em um restaurante de São Paulo.

Ele foi citado na delação de empresários e executivos do frigorífico JBS, revelada em 17 de maio, como suposto intermediário de Temer para cuidar de interesses da empresa junto ao governo. Segundo depoimentos prestados ao MPF (Ministério Público Federal), a mala entregue a ele pelo delator e ex-diretor da JBS Ricardo Saud fazia parte de uma combinação de pagamentos semanais que valeria pelos próximos 20 anos.

Em troca, Rocha Loures teria intercedido pelo grupo em ações do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e disputas de preço de gás fornecido pela Petrobras à subsidiária do grupo.

Em 18 de maio, Rocha Loures foi afastado do cargo de deputado por determinação do Supremo.

Especula-se que ele poderia fazer uma delação premiada com potencial de prejudicar o Planalto.

*Colaborou Flávio Costa, de Brasília

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos