Eleições 2018

Corrida pelo Planalto tem embaraços, ataques e viagens; veja

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

Por lei, os políticos ainda não podem fazer campanha eleitoral, mas os presidenciáveis já estão se movimentando e pensando numa possível candidatura em 2018. Essas andanças foram marcadas por homenagens, eventos e também momentos constrangedores, além de muita troca de farpas.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) terminou a sua viagem de 20 dias pelo Nordeste brasileiro na mesma semana em que o ex-ministro Antônio Palocci disse ao juiz Sergio Moro que ele e Lula tentaram barrar a Lava Jato. Durante a caravana, mesmo repetindo que os atos não se tratavam de pré-campanha ao Planalto, os discursos mais lembraram comícios.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), continuou com suas viagens pelo Brasil (e pelo mundo). A disputa entre ele e o seu correligionário e padrinho político, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), pela candidatura do PSDB à Presidência da República se acirrou. Doria não descartou a possibilidade de deixar o PSDB para disputar a eleição, disse que o PSDB deveria se basear em pesquisas eleitorais para escolher seu candidato e que não disputaria prévias com Alckmin.

Os tucanos se encontraram, teceram elogios um ao outro, mas Alckmin não pareceu feliz com a concorrência do afilhado. Ele citou uma frase de Santo Antônio de Pádua, ao ser indagado sobre as intenções de Doria: "Se não puder falar bem, não diga nada".

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) também está rodando o país. Participou da Festa do Peão de Barretos, no interior de São Paulo, e do desfile Cívico e Militar no Rio de Janeiro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos