Palocci se defende de acusações de Lula: "Dissimulado é ele"

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Justiça Federal do Paraná

Antonio Palocci, por meio de seu advogado, respondeu às acusações do ex-presidente Lula sobre ter mentido em seu depoimento e ser "calculista e frio".

"Enquanto o Palocci mantinha o silêncio, ele era inteligente e virtuoso. Depois que resolveu falar a verdade, passou a ser tido como calculista e dissimulado. Dissimulado é ele, que nega tudo o que lhe contraria e teve a pachorra de dizer que se encontrava raramente com o Palocci a cada 8 meses", escreveu a defesa de Palocci em comunicado.

Lula deu um depoimento ao juiz Sergio Moro nesta quarta-feira (13) em que rebateu algumas afirmações ditas pelo seu antigo braço direito durante interrogatório na semana passada. "Eu conheço o Palocci bem, se não fosse um ser humano, seria um simulador. Ele é tão esperto que seria capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade", garantiu o petista.

O ex-presidente acrescentou: "Fico pensando como a mãe dele, que é militante e fundadora do PT. Não tenho raiva de Palocci, tenho pena de ter terminado uma carreira tão brilhante como ele terminou"

Perguntado por Moro se Palocci teria mentido no depoimento que deu, Lula confirmou: "A única coisa que tem verdade ali é ele dizer que está fazendo aquela delação porque quer os benefícios da delação. Ou quem sabe ele queira um pouco do dinheiro que vocês bloquearam dele".

Depoimento de Palocci

No último dia 6, Palocci afirmou ao juiz Sergio Moro que Lula deu aval a um "pacto de sangue" entre a construtora Odebrecht e o PT, que incluía um terreno para o Instituto Lula, um sítio para uso próprio do ex-presidente e R$ 300 milhões para uso exclusivo de Lula e do partido.

Ainda segundo o ex-ministro, a relação Odebrecht e Lula foi repassada com a chegada de Dilma Rousseff ao poder, que garantiria a manutenção dos executivos da Petrobras para continuar o acordo entre governo e empreiteira.

Na ocasião, a defesa do petista afirmou que o ex-ministro fez acusações falsas para garantir um acordo da delação premiada.

Entenda o caso

Tanto Palocci quanto Lula são réus com mais cinco pessoas – que inclui o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht – em um processo da Lava Jato sobre um esquema de corrupção envolvendo oito contratos entre a empreiteira e a Petrobras.

O Ministério Público acusa as partes de terem desviado cerca de R$ 75 milhões e teriam beneficiado o ex-presidente e o PT. Parte deste valor seria, supostamente, destinado à compra de um terreno em São Paulo para o Instituto Lula. A entidade nunca funcionou no local.

Para a Lava Jato, Palocci seria um intermediário na negociação e recepção da suposta propina a Lula. O ex-ministro é acusado de cometer os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Palocci cumpre prisão preventiva desde setembro de 2016 por ordem de Moro. Ele está detido no Paraná e estaria negociando há meses um acordo de delação premiada com a MPF. EM junho, o ex-ministro foi condenado por Moro em outro processo da Lava Jato a 12 anos, dois meses e 20 dias de prisão em regime fechado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos