Violência no Rio

Secretário do RJ se diz 'indignado' com falas de ministro e afirma que comandante morreu em assalto

Do UOL, no Rio

  • Paula Bianchi/UOL

    Secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá (centro), na Rocinha no início do mês

    Secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá (centro), na Rocinha no início do mês

O secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, se disse nesta terça-feira (31) indignado com as críticas feitas pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, à condução da segurança pública por parte do governo fluminense. Segundo Sá, investigações indicam que o tenente-coronel Luiz Gustavo Teixeira, que comandava o 3º BPM (Batalhão da Polícia Militar), foi vítima de tentativa de assalto. O oficial foi atacado a tiros em uma rua do Méier, bairro da zona norte carioca.

Em entrevista ao blogueiro do UOL Josias de Souza publicada nesta terça, Torquato declara-se convencido de que o assassinato do comandante do batalhão não foi resultado de um assalto. ''Esse coronel que foi executado e ninguém me convence que não foi acerto de contas."

Veja também:

O ministro relatou que conversou sobre o assunto com o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e com o secretário de Segurança. Encontrou-os na última sexta-feira (27), em Rio Branco (AC), numa reunião com governadores de vários Estados. "Eu cobrei do Roberto Sá e do Pezão", relata Torquato.

Entretanto, os interlocutores do ministro reiteraram que se tratou de um assalto. E o ministro: "Ninguém assalta dando dezenas de tiros em cima de um coronel à paisana [em verdade, o oficial da PM estava fardado], num carro descaracterizado. O motorista era um sargento da confiança dele."

Ainda segundo o ministro, Pezão e Sá não controlam a Polícia Militar. Para ele, o comando da PM no Rio decorre de "acerto com deputado estadual e o crime organizado." O ministro diz também que os "comandantes de batalhão são sócios do crime organizado no Rio".

Presidente da Alerj rebate críticas de ministro da Justiça

Em nota, o secretário de Segurança refuta as afirmações e diz ter colocado como "premissa básica para assumir o cargo a total autonomia para a escolha dos comandados", feita, segundo ele, a partir de critérios técnicos.

"A despeito de todas as crises pelas quais o Estado passa, incluindo a financeira, que afeta diretamente a remuneração dos agentes públicos, bem como qualquer investimento ou custeio, a Secretaria de Segurança, por meio do incessante trabalho das polícias Civil e Militar, vem mantendo a produtividade em ações, bem como conseguindo reverter a tendência de aumento de alguns indicadores de criminalidade, reduzindo importantes crimes", afirma o comunicado.

"Só posso demonstrar minha surpresa e minha indignação com essas declarações", afirmou o secretário em entrevista à Globo News. Segundo ele, "ações como essa, comentários genéricos assim, não contribuem para nada."

"Talvez ninguém corte tanto na carne quanto nós", disse, referindo-se aos policiais expulsos da corporação por suspeitas de corrupção. "Se tivesse qualquer tipo de execução ou acerto de contas não esconderíamos. Não estamos aqui para esconder nada de ninguém."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos