PUBLICIDADE
Topo

Política

Após briga de parlamentares do PSL, Bolsonaro repreende uso de WhatsApp

Bancada do PSL se reúne com Jair Bolsonaro; Eduardo se sentou ao lado de Joice Hasselmann - Divulgação/Governo de Transição
Bancada do PSL se reúne com Jair Bolsonaro; Eduardo se sentou ao lado de Joice Hasselmann Imagem: Divulgação/Governo de Transição

Felipe Amorim e Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

12/12/2018 17h21

Durante reunião com a futura bancada do PSL no Congresso Nacional na tarde desta quarta-feira , o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) repreendeu o uso do aplicativo de mensagens WhatsApp por deputados para tratarem de temas sensíveis ao partido.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente eleito, contou que o pai abordou no encontro as recentes disputas internas do partido que se tornaram públicas por meio do vazamento de conversas pelo aplicativo.

"O presidente Jair Bolsonaro é contra a criação de grupos de WhatsApp porque em um grupo existem diversas pessoas e, quando esses prints vazam, ninguém sabe quem é que vazou", explicou o filho do presidente eleito.

Segundo Eduardo Bolsonaro, o "ideal" seria a realização de conversas pessoais ou "um com o outro" no próprio aplicativo. "E aí, em caso de vazamento, a gente sabe quem é que vazou", declarou.

Questionado se a existência de grupos no WhatsApp foi proibida por Bolsonaro, ele disse que não, porque o pai "não é ditador, ele é bem democrata".

"Ele apenas aconselha. Quem quiser seguir, tudo bem", disse Eduardo.

Durante a reunião, Eduardo se sentou ao lado da deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP). Uma troca de ataques entre os dois em um grupo de WhatsApp se tornou pública na semana passada. Nesta terça (11), eles publicaram nas redes sociais uma foto juntos para selar as pazes.

Delegado de Goiás será líder

Durante o encontro da bancada com o presidente eleito ficou decidido que a liderança do PSL na Câmara dos Deputados será exercida até fevereiro pelo deputado Delegado Waldir (GO), atual vice-líder.

Segundo Eduardo Bolsonaro, que ocupava a liderança até hoje, em fevereiro, com o início do mandato da nova bancada, o partido realizará uma eleição interna para decidir quem será o líder da legenda na Câmara.

"O delegado Waldir é bicampeão de votos em Goiás, é pessoa que conhece a Casa, tem muita presença no plenário, então com certeza está em boas mãos", disse Eduardo.

"A minha situação, eu tenho tido um pouco de dificuldade de estar no plenário. As portas que se abrem pra mim, as pessoas que eu conheço, elas não me procuram porque eu sou líder do partido, mas sim por ter sido o deputado mais eleito [com mais votos] do Brasil e filho do Jair Bolsonaro, então na verdade a liderança ela vai até fazer bem, ela vai dividir um pouco da demanda muito grande que eu tenho hoje em dia, vai um pouquinho agora pro Waldir", disse.

Segundo Eduardo, a escolha de delegado Waldir como líder foi decidida por aclamação e não houve divergências.

Política