PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro se muda com família para o Palácio da Alvorada e recebe parentes

Familiares de Bolsonaro chegam ao Palácio da Alvorada, em Brasília - ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO CONTEÚDO
Familiares de Bolsonaro chegam ao Palácio da Alvorada, em Brasília Imagem: ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO CONTEÚDO

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

04/01/2019 14h55

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) dormiu pela primeira vez no Palácio do Alvorada na noite de quinta para sexta-feira (4). Ele se mudou para a residência oficial da Presidência da República junto com a primeira-dama, Michelle, a filha, Laura, de 8 anos, e a enteada, Letícia.

Ao longo do governo de transição, Bolsonaro morou no apartamento funcional da Câmara, no bairro da Asa Norte, e na Granja do Torto, outra residência oficial da Presidência no Distrito Federal, que se assemelha a uma chácara, onde estava até esta quinta. 

Por volta das 12h20 desta sexta (4), dois adultos e três crianças chegaram ao Alvorada com malas. Comunicando-se em linguagem de sinais, eles se identificaram como parentes de São Paulo, passaram pela revista de raio-x na segurança da portaria e foram transportados por uma van preta da Presidência até a entrada do prédio.

Familiares do presidente se identificam na portaria - Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo
Familiares do presidente se identificam na portaria
Imagem: Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo

A mudança da família Bolsonaro pegou parte da segurança de surpresa, conforme apurou a reportagem do UOL, posto que um soldado fardado do 1º Regimento de Cavalaria de Guardas, conhecido como Dragões da Independência, ainda não havia sido escalado ao local. Um "dragão" deve estar na portaria do Alvorada quando o presidente está utilizando a residência.

Turistas comemoram e procuram Bolsonaro para fotos

Pela manhã, a movimentação dentro do Alvorada foi tranquila, sem caminhões de mudança. No gramado, havia apenas jardineiros cuidando do jardim e funcionários retirando sacos de lixo das lixeiras. 

Kellen posa com bandeira do Brasil - Luciana Amaral/UOL
Kellen posa com bandeira do Brasil
Imagem: Luciana Amaral/UOL

Do lado de fora, porém, o clima era de alegria e expectativa. Pelo menos uma centena de turistas, em contagem feita pela reportagem, foi ao local para conhecer a nova moradia de Bolsonaro e na esperança de tirar "selfies" com o presidente. Sem poder se mexer, como de costume, o Dragão da Independência era sempre assediado para fotos. 

Quando o grupo de parentes chegou à portaria, por exemplo, alguns turistas se questionaram sobre as visitas e tentaram se aproximar para vê-los. Outros se perguntavam se Bolsonaro estava no palácio ou chegaria para almoçar. Uma mulher dizia para um homem: "será que ele vai chegar? Bem que a gente podia ver ele. Tem uns carrões pretos saindo ali de vez em quando". Os veículos eram da segurança presidencial.

Na manhã desta sexta, Bolsonaro participou de solenidade de transmissão de cargo do comandante da Aeronáutica na Base Aérea de Brasília e, em seguida, foi despachar e cumprir outras agendas no Palácio do Planalto.

Moradora de Natal, Kellen Dantas viajou a Brasília para a posse e, hoje, foi até o Alvorada com uma bandeira do Brasil. Ela disse ter lutado muito para a vitória de Bolsonaro nas eleições e quis prestigiar o momento.

"Além de ser um ponto turístico, é interessante saber que nosso presidente mora aqui. É muito bom. É uma sensação indescritível", falou.

O casal de Marechal Cândido Rondon (PR) Adriana e Claudenir Mendes estava de passagem por Brasília com os filhos e escolheu visitar o Alvorada, assim como a Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes. Eleitor de Bolsonaro com a mulher, Claudenir classificou o Alvorada como "um baita de um palácio, muito bonito".

Adriana, Claudenir e os filhos  - Luciana Amaral/UOL
Adriana, Claudenir e os filhos
Imagem: Luciana Amaral/UOL

"Se pudesse ver ele, né?", disse Adriana. "Vamos ver se dá sorte de ele passar por aí, mas é difícil, né?", complementou Claudenir.

O casal de aposentados Manoel Novais e Rosângela de Bragança são moradores de Vitória, mas já residiram em Brasília. Apesar de conhecerem o Alvorada, fizeram questão de retornar. Ele, por Bolsonaro. Ela, pela arquitetura e o prazer de andar pela cidade.

"É novidade. Antes, não me sentia tão à vontade. Hoje, me despertou essa vontade. 'Quero passar lá, voltar para o Palácio da Alvorada'. Fui na praça dos Três Poderes. Ou seja, dá um entusiasmo na gente. Parece que mudou alguma coisa", afirmou Manoel.

Embora apoie o marido, Rosângela disse ver o Alvorada por gostar de Brasília e não pela política.

Rosângela e Manoel - Luciana Amaral/UOL
Rosângela e Manoel
Imagem: Luciana Amaral/UOL

Cadeirante, Manoel elogiou a acessibilidade no local, porém, disse que o mesmo não acontece com outros pontos de Brasília. "Estou hospedado no Setor Hoteleiro Sul. Não dá para andar pelas calçadas lá nem usar uma rampa. Tenho de andar pela rua com os carros", criticou. 

Alvorada volta a ser ocupado após mais de dois anos vazio

Inicialmente, a intenção era que Bolsonaro se instalasse no palácio projetado para abrigar o mandatário do Brasil na terça (1º) após as solenidades da posse, segundo a assessoria do governo de transição divulgou à época. No entanto, devido à presença de familiares para a posse e últimas mudanças no Alvorada, a ida foi adiada em dois dias. Até o momento, a família não conta com um animal de estimação. 

Bolsonaro será o primeiro presidente a ocupar o Alvorada em mais de dois anos. O último ocupante foi a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que saiu do palácio em setembro de 2016, após o impeachment. O então vice-presidente, Michel Temer (MDB), preferiu permanecer no Palácio do Jaburu, embora tenha experimentado - e desistido - se instalar no Alvorada. 

A assessoria do Planalto informou que Temer e sua família seguiram para São Paulo, onde mantêm residência, logo após a posse. O vice-presidente, general Antônio Hamilton Mourão, e sua mulher, Paula, já estão morando no Jaburu desde o dia 1º. 

O Palácio da Alvorada fica a cerca de 5 km da Esplanada dos Ministérios. De carro, é possível ir de um ponto ao outro em menos de 10 minutos. O palácio faz parte das residências oficiais da Presidência da República e foi desenhado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Inaugurado em junho de 1958, foi o primeiro prédio de alvenaria a ser construído na capital federal e se localiza em uma península que divide o lago Paranoá entre os bairros do Lago Sul e Lago Norte. 

O Alvorada é composto por três pavimentos, sendo subsolo, térreo e primeiro andar, com salões amplos, jardins planejados, capela, quadras esportivas e dezenas de obras de arte. No piso superior do prédio fica a área íntima, de circulação reservada para os moradores, com quatro suítes, entre outros aposentos. 

Sem morador permanente, a residência oficial costumava ficar aberta à visitação pública, mas, neste mês, foi suspensa para os preparativos da recepção à família Bolsonaro.

Política