Topo

Deputados do PSL e DEM em viagem à China vão processar Olavo de Carvalho

Parlamentares do PSL fazem escala durante viagem à China nesta terça-feira (15) - Acervo pessoal/Reprodução
Parlamentares do PSL fazem escala durante viagem à China nesta terça-feira (15) Imagem: Acervo pessoal/Reprodução

Aiuri Rebello*

Do UOL, em São Paulo

18/01/2019 16h20

Integrantes da comitiva de parlamentares eleitos brasileiros que foram à China -- a maioria deles do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro -- se dizem surpresos e indignados com os ataques do escritor Olavo de Carvalho à iniciativa do grupo. Pelo menos parte deles pretende processar o "guru" do presidente, que indicou dois ministros no atual governo: Ernesto Araújo, nas Relações Exteriores, e o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez.

Na quarta-feira (16), o UOL revelou que parlamentares da bancada do PSL foram convidados para conhecer a China pelo governo comunista do país. Dentre outros objetivos, a comitiva foi conhecer o sistema de reconhecimento facial chinês e pretende trazer a tecnologia para aplicações no Brasil. Integrantes da bancada pretendem apresentar um projeto de lei sobre o tema no início do ano legislativo. 

Após a reportagem do UOL, Carvalho publicou um comentário crítico no YouTube e várias postagens no Twitter, onde chamava os parlamentares de "palhaços", "analfabetos" e "caipiras", dentre outros xingamentos, e reprovava tanto a viagem paga pelo governo chinês quanto a ideia do reconhecimento facial. Foi o suficiente para causar uma polêmica nas redes sociais entre os parlamentares do PSL que estão na viagem, colegas que ficaram no Brasil, eleitores do grupo e seguidores do escritor. 

Em contato com a reportagem, integrantes da comitiva que está na China afirmaram que se sentiram traídos por Olavo, pelo qual a maioria "tinha o maior apreço". O deputado federal Luiz Miranda (DEM-DF), único parlamentar do grupo que não é do PSL, confirmou ao UOL, por meio de sua assessoria de imprensa, que vai processar Carvalho. 

"Há mais de 15 anos faço negócios com empresas chinesas", afirma Miranda em nota. "Após tanto tempo, fui convidado para conhecer melhor a cultura do país, o sistema de governo, além da tecnologia empregada em vários setores da sociedade, principalmente na área de segurança pública. Isso nos ajudará a propor alternativas eficientes ao governo brasileiro."

"Alvejaram a gente pelas costas"

"Eu vou processar o Olavo de Carvalho por difamação", afirma o empresário Vinícius Carvalho, um dos organizadores da viagem junto à Embaixada da China no Brasil. "Um absurdo o que ele fez, jogando o pessoal contra a China e os parlamentares que estão aqui pensando no nosso país. É do interesse do Brasil ter a melhor das relações com os chineses", diz Carvalho, que é ligado ao deputado federal eleito Alexandre Frota (PSL-SP) e criador do boneco gigante "pixuleco", que durante as manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff era inflado e mostrava uma caricatura do ex-presidente Lula vestido com roupas de presidiário.

"Não são só Miranda e Vinícius que vão processar ele não, eu e a maioria do PSL que está aqui também queremos fazer a mesma coisa", afirma um dos parlamentares que participa da viagem -- ele pediu para não ser identificado, pois quer fechar questão com os outros colegas. "Isso não se faz, alvejaram a gente pelas costas."

Grupo relata ameaças e reclama com ministro

A equipe que está na China relata que tem sofrido ameaças nas redes sociais, além de muitas críticas. "Estão ameaçando fazer um protesto no aeroporto quando voltarmos para jogar lixo na gente, isso é inaceitável", afirma Carvalho. "Estão mexendo com a nossa família." 

Alguns deputados federais do grupo também estão ressentidos com a colega de bancada Joice Hassellman (PSL-SP), que não participa da viagem. Cobrada por eleitores no Twitter sobre esta história, ela disse que não tinha nada a ver com essa "porcaria de China". As observações negativas também não teriam passado despercebidas por parlamentares e autoridades chinesas que recepcionam o grupo no país asiático. 

Outro alvo da ira do grupo de parlamentares na China é o presidente do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), que afirmou que recusou o convite feito pelo governo chinês em nome de sua legenda, mas que os parlamentares foram na viagem por iniciativa própria. Ele também afirmou que o presidente Jair Bolsonaro ficou surpreso com a viagem. 

"Como o Bivar faz isso? Somos a base dele, exigimos uma retratação de todos os colegas que estão nos xingando quando voltarmos ao Brasil", diz um dos deputados na China, o mesmo que pretende processar Olavo de Carvalho. 

A senadora eleita Soraya Thronicke (PSL-MS) teria inclusive ligado para o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, que a teria acalmado e dito que as relações entre Brasil e China seguem sólidas e que o grupo não fez nada de errado em ir conhecer o gigante asiático. O presidente Jair Bolsonaro estaria estudando soltar uma nota assinada para tentar amenizar a polêmica criada no PSL. 

O UOL busca contato com Olavo de Carvalho, o presidente do PSL e o Ministério das Relações Exteriores, ainda sem sucesso. Procurada pela reportagem, a Embaixada da China no Brasil não se pronunciou sobre a polêmica. 

Major Olímpio apoia iniciativa 

O correligionário e senador eleito Major Olímpio (PSL-SP) entrou na polêmica e saiu em defesa do grupo que está na China. "Se eu pudesse e recebesse esse convite ia junto, foi feito um cavalo de batalha completamente desnecessário", afirma ele. 

"Os parlamentares receberam um convite e foram conhecer uma estrutura. Quem é o maior parceiro comercial do Brasil hoje? É a China. Se formos nesse juízo de valor, hoje, nós temos que parar, estancar todas as relações comerciais com a China. E não vejo que esse é o encaminhamento."

*(Colaborou Luis Adorno, do UOL em São Paulo)

Como funciona o ‘Big Brother’ da China, com 170 milhões de câmeras

BBC Brasil

Política