Topo

'Não existe nenhuma licença para matar', diz Moro sobre projeto anticrime

Leandro Prazeres e Nathan Lopes

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

2019-02-04T14:25:14

2019-02-04T16:48:46

04/02/2019 14h25Atualizada em 04/02/2019 16h48

O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse que o projeto de lei anticrime que apresentou nesta segunda-feira (4) não traz "nenhuma licença para matar". O pacote de medidas que deve ser enviado ao Congresso nos próximos dias considera como legítima defesa a ação de matar alguém para prevenir agressão contra si ou para evitar o risco de agressão a reféns. A proposta, que também vale para agentes de segurança, foi uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Moro disse que o trecho do projeto sobre o tema apenas coloca "o que os juízes já fazem na prática". Ele citou como exemplo o caso do cunhado da apresentadora de televisão Ana Hickmann, que reagiu a uma tentativa de assassinato contra sua familiar por um fã em um hotel em 2016. Ele foi absolvido posteriormente.

O ministro também negou que a legislação proposta autorize o "abate de suspeito". Isso porque, atualmente, a legislação determina que o agente policial deve esperar uma ameaça concreta ou o início de uma atividade criminosa para que possa então agir.

Moro confunde Ana Hickmann com Carolina Dieckmann

UOL Notícias

"Na verdade, estabelece uma situação de conflito armado ou um risco iminente. Então acho que o policial não precisa esperar levar um tiro para ele poder tomar alguma espécie de reação, o que não significa que se está autorizando que se cometa homicídios indiscriminadamente." 

Não existe nenhuma licença para matar. Quem afirma isso está equivocado, não leu o projeto 

Sergio Moro, ministro da Justiça

Moro pontua que o conflito armado não é uma estratégia de segurança do governo Bolsonaro. "Ele pode acontecer em determinadas situações e, as situações que ocorrerem, precisam ter uma previsão legal", comentou.

O projeto também prevê que o juiz do caso poderá reduzir pela metade e até mesmo deixar de aplicar uma condenação a alguém que matar em legítima defesa se o "excesso doloso" for causado por "escusável medo, surpresa ou violenta emoção". 

O ministro pontua que ainda se está "esclarecendo na legislação algumas situações que significam legítima defesa". "Nós apenas deixamos claro na lei, extraímos do conceito de legítima defesa situações que a ela são pertinentes."

Em seu projeto, Moro prevê o início de cumprimento após condenação em segunda instância. Ele também prevê o endurecimento de ações contra crimes graves.

"Não adianta jogar a pena de 30 para 50 anos quando o percentual de pena de regime fechado é pequeno. Isso não é autoritarismo, não é fascismo. Isso é rule of law. Temos que ser mais rigorosos com a criminalidade grave", disse o ministro.

Moro diz que lei deve ser mais rigorosa com crimes graves

UOL Notícias