PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro faz afago ao Congresso e reforça economia na PEC da Previdência

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

25/04/2019 11h43Atualizada em 25/04/2019 12h24

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez um afago hoje a ex-colegas de Parlamento durante a assinatura do decreto que revoga o horário de verão neste ano. O mandatário, que exerceu mandado de deputado federal por quase três décadas, quebrou o protocolo durante a solenidade e chamou parlamentares para que participassem da cerimônia.

Em discurso, ele afirmou que aprovar uma lei no Congresso é "quase como ganhar na Mega-Sena" e disse estar aberto a sugestões de medidas que possam implementadas por meio de decreto presidencial.

Ao fim do evento, Bolsonaro foi questionado pela imprensa sobre a tramitação da reforma da Previdência na Câmara e os pontos que levam a divergências para avanço do texto. Segundo ele, a Casa é "soberana para fazer as alterações que melhor atendam a necessidade de todos". "Mas a economia [gerada pela proposta inicial, na avaliação do Executivo] é importante. A gente espera que ela passe da forma mais próxima do que nós encaminhamos".

"Estou muito feliz com a aprovação da reforma da Previdência na CCJ. Tudo indica que hoje está sendo formada a comissão especial. A gente espera que, com a liderança em grande parte do Rodrigo Maia [presidente da Câmara], essa proposta prospere também na comissão especial".

Bolsonaro faz afago a parlamentares ao assinar fim do horário de verão

UOL Notícias

O presidente também evitou falar em prazos para a aprovação ou não da reforma. "Espero que não haja nenhuma turbulência e, se Deus quiser, não haverá. E nós deveremos virar essa página o mais rápido possível da nova Previdência."

Bolsonaro preferiu não emitir opinião sobre a escolha do relator da reforma na comissão especial. O nome designado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi Samuel Moreira (PSDB-SP).

"Não vou entrar em detalhes. É a atribuição lá do presidente da Câmara. Todos os deputados têm responsabilidade e acreditamos em... Não vou falar todos, porque tem a esquerda que está contra a gente. Mas o outro lado, nós acreditamos na responsabilidade e no espírito patriótico de todos para levar adiante essa proposta."

Veja o pronunciamento de Bolsonaro sobre a Previdência

UOL Notícias

Horário de verão

A informação de que o horário de verão poderia ser revogado neste ano foi divulgada pelo próprio presidente em um café com jornalistas, na manhã do dia 5 de abril. A confirmação veio horas depois em um postagem no Twitter, por meio da qual Bolsonaro explicou que a medida era baseada em "estudos técnicos" do Ministério de Minas e Energia.

Na versão do porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, levantamento da pasta aponta que 53% dos entrevistados eram a favor de acabar com o horário de verão. O militar confirmou ainda que a medida poderá ser reavaliada nos próximos anos.

O teor "técnico" do estudo, no entanto, não foi publicizado.

Bolsonaro também disse ter tomado a decisão após conversar com o deputado federal João Campos (PRB-GO), defensor da iniciativa.

O fim do adiantamento em uma hora do relógio no país rompe com uma prática iniciada em 1931 e aderida pelos estados, sem interrupção, nos últimos 35 anos. O objetivo era economizar energia, valendo-se do aproveitamento da luz solar no período mais quente do ano.

Até o ano passado, o horário de verão era tradicionalmente adotado entre outubro e fevereiro.

Política