Topo

De Carlos Bolsonaro ao MDB: quem mudou o voto no impeachment de Crivella

Renan Olaz/CMRJ
25.jun.2019 - Plenário da Câmara de Vereadores do Rio durante a votação do impeachment de Crivella Imagem: Renan Olaz/CMRJ

Igor Mello e Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

2019-06-26T04:00:00

2019-06-25T21:31:19

26/06/2019 04h00

No dia 2 de abril, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), sofreu sua maior derrota em mais de dois anos de mandato ao ver a Câmara do Rio votar pela admissibilidade de seu processo de impeachment, com o apoio de 35 dos 51 vereadores. Em 84 dias, Crivella conseguiu reverter a situação e obteve 35 votos contra a cassação de seu mandato. Para isso, conseguiu fazer com que 21 vereadores trocassem de lado. A lista dos que mudaram de posição é eclética e inclui nomes de 12 partidos.

Nos bastidores da Câmara, dois fatores são apontados como fundamentais para a mudança de humor de parte dos vereadores: a distribuição de cargos e obras feitas por Crivella nos últimos meses, além da rejeição de uma mudança na Lei Orgânica do município, que permitiria a realização de eleição indireta caso o prefeito fosse cassado.

Filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) --que, enquanto deputado federal, votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff (PT) e das denúncias contra Michel Temer (MDB)--, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC) havia apoiado a abertura do processo de impeachment contra Crivella, mas acabou contra a cassação do mandato do prefeito.

Durante as discussões, Carlos não discursou e pouco permaneceu em plenário. Ao retornar, foi hostilizado por militantes favoráveis ao impeachment que ocupavam uma das galerias da Casa. Os manifestantes cantaram "Cadê o Queiroz?", em referência ao ex-assessor de seu irmão, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O Ministério Público investiga movimentações atípicas na conta corrente de Fabrício Queiroz.

Outro nome importante que mudou o voto foi o ex-prefeito Cesar Maia (DEM-RJ), pai do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara. Favorável à abertura do processo, o ex-prefeito do Rio esteve presente à sessão, mas decidiu se abster nas três votações que inocentaram Crivella.

Maia não acompanhou de perto as sessões da Comissão Processante que investigou Crivella e evitou dar declarações públicas sobre o assunto. Antes da votação de ontem, limitou-se a ressaltar que o que seria avaliado era o mérito em torno dos contratos de concessão do mobiliário urbano da cidade, e não questões político-ideológicas.

MDB é o partido com mais mudanças

Alvo preferencial dos ataques de Crivella durante a campanha eleitoral, o MDB --que comandou a cidade por oito anos com Eduardo Paes, hoje no DEM-- foi o que mais mudou de posição. Logo após terminar o primeiro turno da disputa para a prefeitura na liderança, Crivella chegou a declarar que deixar o MDB fora do segundo turno era uma coisa "didática e redentora". Na ocasião, ele ainda rejeitou o apoio do partido.

Na abertura do processo de impeachment, sete vereadores votaram contra Crivella e dois a favor (o emedebista Jorge Felippe, presidente da Câmara, não podia votar). No julgamento da denúncia, nesta terça, cinco parlamentares que apoiaram a abertura do processo mudaram de lado: Dr. João Ricardo, Rafael Aloísio Freitas, Thiago K. Ribeiro e Willian Coelho (presidente da Comissão Processante) passaram a apoiar Crivella, enquanto Veronica Costa faltou. Jorge Felippe votou a favor de Crivella. Somente Átila Alexandre Nunes e Rosa Fernandes se mantiveram na oposição.

Após o ex-governador Francisco Dornelles (PP) fechar o apoio do PP a Crivella, ganhando em troca duas secretarias, o partido também mudou de lado no julgamento do impeachment. Marcelino D'Almeida, que havia sido a favor da abertura do processo, dessa vez votou contra o impeachment. A outra vereadora do partido, Vera Lins, já havia votado com Crivella antes.

Veja quem apoiou Crivella após votar por abertura do impeachment:

Carlos Bolsonaro - PSC
Cesar Maia - DEM
Dr. João Ricardo - MDB
Dr. Jorge Manaia - SD
Felipe Michel - PSDB
Ítalo Ciba - Avante
Jones Moura - PSD
Leandro Lyra - Novo
Major Elitusalem - PSC
Marcelino D'Almeida - PP
Marcelo Siciliano - PHS
Prof. Celso Luppareli - DEM
Professor Adalmir - PSDB
Rafael Aloísio Freitas - MDB
Rocal - PTB
Thiago K Ribeiro - MDB
Verônica Costa - MDB
Wellington Dias - PRTB
Willian Coelho - MDB
Zico - PTB
Zico Bacana - PHS

Presidente da Câmara anuncia rejeição à denúncia contra Crivella

UOL Notícias

Mais Política