Topo

Aumento exponencial de bens turbina 4 investigações contra Flávio Bolsonaro

Jair e Flávio: inquérito policial vê "aumento exponencial de patrimônio" do filho do presidente da República - André Melo/Futura Press
Jair e Flávio: inquérito policial vê "aumento exponencial de patrimônio" do filho do presidente da República Imagem: André Melo/Futura Press

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

29/08/2019 04h00

O "aumento exponencial de patrimônio" do hoje senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) é a base para quatro investigações em andamento na Polícia Federal, na Procuradoria da República e no Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro. São transações imobiliárias suspeitas e movimentações financeiras do ex-motorista do filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz.

Entre as irregularidades apontadas estão crimes como lavagem de dinheiro, caixa 2, organização criminosa, desvio de dinheiro e improbidade administrativa.

Na segunda-feira (26), o UOL publicou que uma das apurações está travada na Justiça há cerca de seis meses. A investigação tramita na Polícia Federal do Rio de Janeiro, mas não voltou do Judiciário ainda.

A reportagem tem pedido entrevistas e esclarecimentos à assessoria do senador. Na quarta-feira (28), novamente não obteve respostas até o fim da tarde. Os esclarecimentos serão publicados se forem enviados.

O "aumento exponencial de patrimônio" mencionado pela PF revela ganhos milionários. Flávio Bolsonaro comprou 19 imóveis por R$ 9,4 milhões entre 2010 e 2017. As operações de compra e venda renderam a ele um lucro de R$ 3 milhões.

Investigadores destacam algumas transações feitas com dinheiro vivo. Outros negócios foram realizados de maneira "relâmpago".

O inquérito eleitoral inclui a suspeita de lavagem de dinheiro. "Trata-se de inquérito instaurado para apurar a possível prática do crime previsto no art. 350 do Código Eleitoral [caixa 2] e/ou art. 1º da Lei 9.613/98 [lavagem de dinheiro], atribuídos ao então deputado estadual Flávio Nantes Bolsonaro", afirmou o desembargador do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, Cláudio Brandão de Oliveira.

Segundo a Polícia Federal, a investigação avalia se houve falsidade ideológica e aumento "exponencial" dos bens do senador. O inquérito foi aberto "a partir de notícia de fato com relato de aumento exponencial de patrimônio por meio de negociações relâmpagos de imóveis, no período em que o ora investigado desenvolvia atividade parlamentar, que seriam supostamente incompatível (sic) com seu respectivo rendimentos, além de ter declarado à Justiça Eleitoral imóvel cujo valor seria consideravelmente maior que o declarado em 2014".

Juiz mandou apuração voltar à PF

No caso do inquérito eleitoral, apesar de a investigação estar parada na Justiça há cerca de seis meses, já existe ordem para ela voltar às mãos da polícia. Em 2 de agosto, o juiz eleitoral Rudi Baldi Loewenkron determinou que fosse feita uma cópia de todo processo de registro da candidatura de Flávio Bolsonaro nas eleições de 2014, quando foi eleito deputado estadual.

Depois que a cópia for feita, a documentação deve voltar à Polícia Federal, segundo a ordem do magistrado. Até o momento, isso não aconteceu.

Investigadores levantam a hipótese que a origem de dinheiro dos imóveis do senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro esteja numa "rachadinha" de salários de funcionários na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Por essa suspeita, o ex-motorista Fabrício Queiroz recolhia os rendimentos dos funcionários do gabinete do parlamentar e depois repassava os valores ao político e a seus familiares. Um cheque de R$ 24 mil, por exemplo, chegou à conta da primeira-dama, Michele Bolsonaro.

Investigação é nó na crise entre Bolsonaro e Moro

A investigação em relação a Flávio Bolsonaro é um dos nós na crise entre o presidente Jair Bolsonaro e órgãos de controle, como a Receita Federal, a Procuradoria-Geral da República e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), rebatizado como UIF (Unidade de Inteligência Financeira).

A tensão atinge até o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o diretor geral da PF, Maurício Valeixo. Na terça-feira (28), Moro fechou uma série de três notas em rede social em menos de 24 horas mencionando o presidente Jair Bolsonaro. Na última, falou em "alinhamento" à "política" do atual chefe do Executivo.

Na mesma terça-feira, Moro disse que o combate à corrupção no governo de Jair Bolsonaro sofre alguns "reveses".

Política