Topo

Moro diz que combate à corrupção no governo Bolsonaro tem "alguns reveses"

Ministro disse que combate à corrupção sofre "reveses" no governo, mas destacou "compromisso" do presidente   - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Ministro disse que combate à corrupção sofre "reveses" no governo, mas destacou "compromisso" do presidente Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

27/08/2019 13h28

Em meio à crise entre o presidente da República e a Polícia Federal, o ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou hoje que o combate à corrupção no governo de Jair Bolsonaro (PSL) tem "alguns reveses". Apesar disso, ele disse que há um "compromisso" do presidente com a prevenção e a repressão aos crimes financeiros.

Ontem, Moro foi à unidade da Polícia Federal que investiga o filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Como revelou o UOL, o parlamentar é investigado por suspeita de cometer lavagem de dinheiro e crime eleitoral.

É o segundo caso a que ele responde --o outro é cível e corre no Ministério Público do Rio. No entanto, a apuração da PF está travada há seis meses.

Moro fez as declarações de hoje perante policiais federais. "O presidente Jair Bolsonaro tem compromisso com a prevenção e o combate à corrupção", iniciou o ministro na abertura do Seminário sobre Métodos Modernos de Combate à Corrupção, realizado pela PF na sede do Ministério da Justiça, em Brasília.

"Esse foi um dos objetivos, temas centrais, que me levaram a aceitar esse convite [para o cargo]. Eu creio que o governo tenha avançado nessa área. Claro que às vezes tem alguns reveses. Más nós temos avançados no enfrentamento da corrupção."

Diante de medidas e declarações de Jair Bolsonaro contra órgãos de investigação, como Receita Federal, PF e o antigo Coaf (que recentemente mudou de nome para UIF, Unidade de Inteligência Financeira), policiais têm defendido que Moro peça demissão do cargo.

Hoje, o ministro disse ao UOL que sua ida ao Rio de Janeiro ontem foi uma "visita de cortesia". Lá, ele e o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, se encontraram com superintendente regional, Ricardo Saadi, cuja demissão foi anunciada por Jair Bolsonaro dias atrás.

A reportagem questionou Moro se, no encontro, ele tratou do inquérito de Flávio Bolsonaro. Mas os seguranças levaram o ministro para uma sala e ele não respondeu à questão.

Política