Topo

Justiça trava inquérito de suposta lavagem de dinheiro de Flávio Bolsonaro

O senador Flávio Bolsonaro: inquérito sobre transações suspeitas está parado na Justiça - Adriano Machado/Reuters
O senador Flávio Bolsonaro: inquérito sobre transações suspeitas está parado na Justiça Imagem: Adriano Machado/Reuters

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

26/08/2019 18h19

Um inquérito sigiloso sobre as transações imobiliárias suspeitas do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) está parado há cerca de seis meses na Justiça. A investigação foi aberta pela Polícia Federal no primeiro semestre de 2018, antes das eleições, para apurar a suspeita de que o filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), cometeu crime eleitoral e lavagem de dinheiro. Na época, Flávio era deputado estadual.

O caso saiu da Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro por volta de fevereiro deste ano para ser analisado nos tribunais de Brasília - com a vaga conquistada no Senado, o filho do presidente ganhou foro privilegiado. Uma fonte ouvida pelo UOL contou que os documentos foram enviados ao Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a apuração da polícia, Flávio Bolsonaro fez negócios com imóveis que lhe renderam um aumento patrimonial "substancial" enquanto ocupava lugar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Esses valores seriam, segundo a PF, incompatíveis com os rendimentos que ele possui.

Flávio comprou 19 imóveis por R$ 9,4 milhões entre 2010 e 2017, de acordo com dados do Ministério Público do Rio. As operações renderam um lucro de R$ 3 milhões.

A PF já realizou apurações no ano passado. Outras foram requisitadas à Justiça Eleitoral do Rio. Agora, falta concluir o trabalho.

Crise aumenta reserva sobre o caso

O tema é tratado com extrema reserva dentro da corporação em Brasília e no Rio. Isso porque a Polícia está em crise com o pai do investigado desde que o presidente anunciou a demissão do chefe da corporação no Rio, Ricardo Saadi.

Há temor de que o o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, seja demitido. Em resposta a declarações de Bolsonaro, policiais defenderam até um pedido de demissão do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Nesta segunda-feira (26), o ex-juiz da Operação Lava Jato foi à Superintendência da PF no Rio de Janeiro, um dos principais focos da crise. Lá, esteve junto com Valeixo e Saadi para um evento um evento do Centro Integrado de Comando e Controle, que reúne vários países da América do Sul.

A reportagem questionou a assessoria da polícia se investigações sobre Flávio Bolsonaro também foram tratadas pelo trio Moro, Valeixo e Saadi. A PF respondeu que não comenta apurações em andamento.

Moro não quis conversar com a imprensa. Por meio de assessoria, o ministro respondeu ao UOL que "a reunião foi reservada" e "não vai comentar".

Jair Bolsonaro entrou em guerra com órgãos de investigação como a Receita Federal e o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). O último teve seu presidente demitido, foi transferido para o Banco Central, com permissão para indicações políticas, e foi rebatizado --agora atende por UIF (Unidade de Inteligência Financeira).

Rachadinha poderia originar bens

Os policiais estão impedidos de continuar a investigação sobre os imóveis de Flávio Bolsonaro enquanto os documentos não voltam da Justiça. Reservadamente, integrantes da PF contaram ao UOL que uma das hipóteses é a de que a "rachadinha" de salários de funcionários na Alerj envolvendo Fabrício Queiroz seria a fonte do dinheiro usado para comprar imóveis de Flávio Bolsonaro.

Algumas transações imobiliárias foram feitas com recursos em espécie. Outros negócios foram feitos de forma "relâmpago". Por essa suspeita, os recursos teriam sido usados ainda na campanha eleitoral do senador no ano passado.

Para fontes ouvidas pelo UOL no Rio e em Brasília, a franquia da rede de lojas de café e chocolates que Flávio Bolsonaro possui não seria suficiente para justificar renda grande o suficiente para a compra de tantos imóveis.

O UOL procurou a assessoria de tribunais solicitando informações sobre inquéritos eleitorais de Flávio Bolsonaro. O Supremo Tribunal Federal informou que só poderiam ser localizados processos públicos disponíveis no site do órgão. Inquéritos sigilosos --como é o caso da apuração sobre os imóveis de Flávio Bolsonaro-- não poderiam ser verificados.O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não localizou inquéritos sobre o senador.

O senador Flávio Bolsonaro e sua assessoria não responderam às perguntas da reportagem até o fim da tarde de segunda-feira (26). As respostas serão publicadas assim que forem recebidas.

Política