Topo

Crivella pede que livro dos Vingadores vendido na Bienal seja recolhido

Luciana Quierati e Marcela Ribeiro

Do UOL, em São Paulo e no Rio

05/09/2019 22h45Atualizada em 06/09/2019 12h06

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), disse ontem em vídeo postado no Twitter que "determinou" que os organizadores da Bienal Internacional do Livro do Rio recolham a obra "Vingadores, a cruzada das crianças", à venda nos pavilhões do Riocentro, onde o evento está sendo realizado.

Após a ordem de Crivella, a obra se esgotou na manhã de hoje, segundo informou a assessoria da feira, que acontece no Riocentro, na zona oeste carioca. O prefeito justificou que o livro da coleção Graphic Novels da Marvel traz "conteúdo sexual para menores" e que a iniciativa da prefeitura visa "proteger as crianças".

"Livros assim precisam estar embalados em plástico preto, lacrado, e, do lado de fora, avisando o conteúdo", disse ele em vídeo postado na rede social. "Não é correto que elas tenham acesso precoce a assuntos que não estão de acordo com suas idades."

Na obra, escrita por Allan Heinberg e desenhada por Jim Cheung, dois dos Jovens Vingadores, Wiccano e Hulkling, são namorados.

Página do livro que Crivella pediu para ser recolhido na Bienal do Rio - Reprodução
Página do livro que Crivella pediu para ser recolhido na Bienal do Rio
Imagem: Reprodução

Bienal diz que não recolherá exemplares

Ao UOL, a assessoria de imprensa da Bienal disse que os exemplares do livro não serão recolhidos porque o material não é impróprio e é comercializado desde 2016 em todo o mundo sem qualquer restrição. E emitiu uma nota:

"A Bienal Internacional do Livro Rio, consagrada como o maior evento literário do país, dá voz a todos os públicos, sem distinção, como uma democracia deve ser. Este é um festival plural, onde todos são bem-vindos e estão representados. Inclusive, no próximo fim de semana, a Bienal do Livro terá três painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+. A direção do festival entende que, caso um visitante adquira uma obra que não o agrade, ele tem todo o direito de solicitar a troca do produto, como prevê o Código de Defesa do Consumidor."

Ainda segundo a assessoria, a organização da Bienal foi notificada hoje pessoalmente pelo chefe da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) do Rio.

Prefeitura nega censura, mas ameaça cassar licença da Bienal

Procurada pelo UOL, a Seop disse ter informado a Bienal e prometeu apreender a obra e cassar a licença do evento, caso o material não seja readequado.

"A Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) notificou, na tarde desta quinta-feira, dia 5, a organização da Bienal do Livro a adequar as obras expostas na feira aos artigos 74 a 80 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que preveem lacre e a devida advertência de classificação indicativa de conteúdo em publicações com cenas impróprias a crianças e adolescentes. Em caso de descumprimento, o material sem o aviso será apreendido e o evento poderá ainda ter a licença cassada", informou a secretaria.

Em nota na manhã de hoje, a prefeitura afirmou que a obra estava lacrada, mas sem uma advertência "para que as pessoas fizessem sua livre opção de consumir obra artística de super-heróis retratados de forma diversa da esperada".

A gestão Crivella diz ainda que houve reclamação de frequentadores da feira e negou que a ordem seja censura. "Não há qualquer ato de trans ou homofobia, ou qualquer tipo de censura à abordagem feita livremente pelo autor", diz o comunicado.

A 19ª edição da Bienal do Rio começou em 30 de agosto e vai até o próximo domingo (8).

Política