Topo

Bolsonaro tem "contínua melhora" após cirurgia, diz boletim médico

O presidente Jair Bolsonaro (PSL)  -  Walterson Rosa 10.dez.18/Folhapress
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) Imagem: Walterson Rosa 10.dez.18/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

10/09/2019 10h32

O presidente Jair Bolsonaro evolui bem após ter sido submetido a uma cirurgia para a correção de uma hérnia incisional no último domingo. De acordo com boletim médico divulgado na manhã de hoje pelo Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, Bolsonaro encontra-se "em contínua melhora", dormiu bem e acordou disposto. Não há previsão de alta.

Segundo o comunicado, o presidente não tem febre e continuará com dieta líquida a base de chá, água, gelatina e caldo ralo.

"O paciente seguirá com estímulo de caminhada pelo corredor e poderá tomar banho de chuveiro. Serão mantidas de prevenção de trombose venosa profunda", informou a equipe médica.

Em coletiva de imprensa na manhã de hoje, o diretor do hospital, Antonio Antonietto, explicou que a medida de prevenção à trombose é protocolo nestas cirurgias. "A prevenção é um protocolo internacional que todos os pacientes e hospitais seguem e no caso dele também está seguindo. É simplesmente para dizer que ele está usando meias elásticas e tomando anticoagulante, nada de importante com isso", falou aos jornalistas.

"No momento o presidente encontra-se tomando banho acompanhado da equipe de enfermagem do hospital, em seguida haverá a realização do curativo e depois o presidente fará a sua caminhada na parte da manhã. Há previsão de que ele caminhe na parte da tarde", informou o porta-voz da Presidência, Rêgo Barros.

As visitas continuarão restritas, de acordo com os médicos. Ontem, Bolsonaro recebeu a visita do vice-presidente Hamilton Mourão, que exerce o cargo de presidente em exercício enquanto ele se recupera da cirurgia.

Durante a coletiva, o porta-voz não soube dizer o conteúdo da conversa entre Bolsonaro e Mourão. "Ontem o general Hamilton Mourão esteve com o presidente. Conversaram por cerca de 15 minutos em reservado dentro do quarto, mas naturalmente, pela própria orientação médica, o general Mourão evitou expor o presidente a ter que falar, dialogar e, por consequência, a ingestão de ar que venha a dificultar sua plena recuperação. Naturalmente por ter sido reservado não tenho como informar a respeito dos temas", disse.

Questionado sobre a publicação de Carlos Bolsonaro no Twitter de que o Brasil não terá transformação rápida por "vias democráticas", Barros respondeu que não é o foco no momento.

"Desconheço que o presidente tenha tomado conhecimento. Conversei com o vereador e acredito que ele tenha conversado com o presidente, mas não é um tema que queremos vocalizar porque o nosso foco é a recuperação do presidente e o que é tuitado nas contas pessoais é de responsabilidade de cada uma das pessoas que dirigem o relacionamento na rede social".

Segundo o porta-voz, Carlos é um dos que acompanham o presidente no hospital, juntamente com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

De acordo com Barros, após a alta Bolsonaro deve seguir diretamente para Brasília. A alta se dará no momento em que a equipe médica entender que o presidente encontra-se na melhor das condições para realizar a viagem de retorno a Brasília. No nosso planejamento não há indicação de que ele saia do hospital e vá repousar em outra instalação", explicou.

Mais Política