Topo

"Eu jamais apoiei ou fiz empenho pelo golpe", diz Temer sobre impeachment

Do UOL, em São Paulo

16/09/2019 23h12

O ex-presidente Michel Temer (MDB) afirmou, em entrevista concedida hoje ao programa Roda Viva, que não se empenhou ou apoiou o que chamou de golpe, ao comentar sobre o fato de ter sido chamado de "golpista" durante o processo de impeachment deflagrado em 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que encabeçava a chapa formada por Partido dos Trabalhadores e MDB eleita em 2014.

"Eu jamais apoiei ou fiz empenho pelo golpe. Aliás, muito recentemente, o jornal Folha detectou um telefonema onde o ex-presidente Lula me deu, onde ele pleiteava e depois esteve comigo para trazer o PMDB para impedir o impedimento. E eu tentei, mas a esta altura, eu confesso, que a movimentação popular era tão grande e tão intensa que os partidos já estavam mais ou menos vocacionados para a ideia do impedimento", disse Temer.

O emedebista fez referência à reportagem publicada na última semana pela Folha de S. Paulo, a qual enfraqueceu a tese do então juiz Sergio Moro e dos procuradores do Ministério Público Federal no Paraná de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria aceitado cargo de ministro da Casa Civil durante o governo Dilma para se blindar das acusações da Operação Lava Jato.

As mensagens privadas trocadas entre os procuradores mostram que Moro divulgou apenas parte dos áudios interceptados pela Polícia Federal a partir de um grampo no ex-presidente petista. À época, Moro autorizou a divulgação de uma conversa entre Lula e Dilma, esta que citava um "termo de posse" para ser utilizado em "caso de necessidade". O então magistrado, no entanto, não poderia tê-lo feito porque o caso envolvia a presidente da República, e a competência seria exclusivamente do Supremo Tribunal Federal (STF).

A reportagem mostra que Lula ligou para Temer para tentar convencê-lo a ajudar a barrar o processo de impeachment, levando em consideração também a influência do PMDB no Congresso. Na entrevista veiculada hoje, Michel Temer reforçou que a movimentação de Lula estava atrelada ao impedimento de Dilma, e não necessariamente à blindagem de processos encampados pelo MPF.

"Depois ele [Lula] esteve comigo, no pavilhão das autoridades, conversando comigo sobre o impedimento. O fundamento básico dele foi tentar trazer o PMDB e outros partidos no sentido de negar a possibilidade de impedimento.", disse Temer.

Impeachment não levou a Bolsonaro

Na entrevista, Temer foi questionado sobre a conjuntura política do país e o que levou à eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em outubro do ano passado. Para ele, não há relação entre o impeachment de Dilma Rousseff e a condução do capitão reformado à Presidência, e o Brasil passa, em diferentes momentos, por anseios onde as "pessoas querem mudar tudo."

"Eu não faço exatamente esta conexão [entre impeachment e eleição de Bolsonaro]. No Brasil, de tempos em tempos, as pessoas querem mudar tudo. Aconteceu na eleição do Lula, há mais de 15, 18 anos atras, aconteceu agora com o Bolsonaro. Houve uma onda para tentar mudar tudo que estava presente política e administrativamente.", argumentou.

Segundo o ex-presidente, não há perigo de uma escalada de autoritarismo a partir do atual governo porque as instituições "funcionaram tranquilamente de 88 até essa data." "Não vejo como poderíamos, com uma imprensa livre que nós temos, com uma consciência democrática extraordinária que permeia a mentalidade de toda a classe política brasileira, e mais, que toma a conta do pensamento de todos os brasileiros, então não vejo como podemos caminhar para um sistema autoritário.

Temer diz que Lula e Dilma deram visibilidade à pobreza: "Não nego"

UOL Notícias

Mais Política