Topo

Fernando Collor é alvo de operação da Polícia Federal

Eduardo Anizelli - 11.mai.2016/Folhapress
Imagem: Eduardo Anizelli - 11.mai.2016/Folhapress

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

11/10/2019 09h14Atualizada em 11/10/2019 14h50

Resumo da notícia

  • Ex-presidente da República estaria envolvido em esquema de lavagem de dinheiro
  • PF diz que compras de imóveis em leilões serviriam usavam recursos ilícitos
  • Mandados de busca e apreensão são cumpridos em Maceió e Curitiba

O ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor (PROS-AL) é alvo de uma operação da PF (Polícia Federal) realizada hoje que apura "um esquema de lavagem de capitais por meio de compras de imóveis" em leilões judiciais. Em nota, Collor disse estar "indignado" com a operação.

Batizada como Arremate, a operação é realizada em Maceió e Curitiba. No total, foram expedidos 16 mandados de busca e apreensão nas capitais de Alagoas e do Paraná. Eles foram autorizados pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal). Como Collor tem prerrogativa de foro privilegiado, as ações ficam a cargo do Supremo. Elas estão sob sigilo.

Os investigadores apontam que Collor estaria envolvido em um esquema no arremate de imóveis em 2010, 2011, 2012 e 2016. A PF aponta que o político utilizaria um "laranja" com a proposta de "ocultar a sua participação como beneficiário final das operações".

Os valores envolvidos no esquema chegariam a R$ 6 milhões, segundo as investigações.

"Essas compras serviriam para ocultar e dissimular a utilização de recursos de origem ilícita, bem como viabilizar a ocultação patrimonial dos bens e convertê-los em ativos lícitos", diz a PF.

Nas redes sociais, Collor disse que a operação é uma tentativa de envolver seu nome em um assunto em que não tem "nenhum conhecimento ou participação". "Trago a consciência tranquila e a certeza de que, mais uma vez, ficará comprovada a minha inocência."

Os crimes apurados, de acordo com a PF, são os de lavagem de ativos, corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, falsificações e organização criminosa.

Política