Topo

Após sair da prisão, Lula diz que tem 30 anos de energia e 20 anos de tesão

O ex-presidente Lula após sair da prisão em Curitiba - REUTERS/Rodolfo Buhrer
O ex-presidente Lula após sair da prisão em Curitiba Imagem: REUTERS/Rodolfo Buhrer

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

09/11/2019 12h26

Em um vídeo publicado nas redes sociais horas após deixar a prisão em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse ser um "senhor muito jovem" e que, apesar de ter 74 anos "biológicos", tem "30 anos de energia e 20 anos de tesão".

"[Quero] dizer para vocês que eu sou um senhor muito jovem. Eu tenho 74 anos do ponto de vista biológico, mas tenho 30 anos de energia e 20 anos de tesão. Tá? Só para vocês ficarem com inveja desse jovem que está falando com vocês", declarou.

❤️ #Gratidão Vídeo: @ricardostuckert

Uma publicação compartilhada por Luiz Inácio Lula da Silva (@lulaoficial) em

No vídeo, Lula também agradeceu a "solidariedade" dos seus seguidores nas redes sociais e disse que está livre para "ajudar a libertar o Brasil dessa loucura que está acontecendo no nosso país".

"É preciso cuidar da educação, cuidar do emprego, cuidar do salário, cuidar da cultura, cuidar do prazer e da alegria. Aliás, a juventude não vive se não tiver prazer, motivação de vida, e é isso que nós temos que oferecer para vocês", afirmou.

Lula deixou a sede da PF, em Curitiba, no fim da tarde de ontem graças a uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que proibiu a prisão após condenação em segunda instância. A partir de agora, as penas só poderão ser executadas após o esgotamento de todos os recursos possíveis, o chamado trânsito em julgado.

Lula estava preso por sua condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP), da Operação Lava Jato. Neste processo, o ex-presidente foi condenado por três instâncias, cabendo ainda recurso ao STF.

Ontem, logo após deixar o prédio da PF, o ex-presidente fez um discurso aos apoiadores que aguardavam por ele na vigília "Lula Livre". Lula agradeceu a militância que permaneceu em Curitiba durante os 580 dias em que ele esteve preso, criticou o MPF (Ministério Público Federal) e a PF e também apresentou a socióloga Rosângela Silva como sua noiva. O petista também fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Hoje, ele é esperado em um ato no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo, onde deve fazer outro pronunciamento.

Política