Topo

Deputado Mamãe Falei é expulso do DEM

Deputado afirmou que expulsão foi um "tiro no pé" do partido - Carine Wallauer/UOL
Deputado afirmou que expulsão foi um "tiro no pé" do partido Imagem: Carine Wallauer/UOL

Beatriz Sanz

Do UOL, em São Paulo*

19/11/2019 14h59Atualizada em 19/11/2019 16h41

O deputado estadual paulista Arthur do Val, conhecido como Mamãe Falei, foi expulso do DEM hoje. Arthur, que faz parte do Movimento Brasil Livre (MBL), já estava em confronto com o partido há algum tempo por ataques a aliados.

Em entrevista ao UOL, Val afirmou que sua expulsão é um "tiro no pé" do partido, já que a sigla perde seu deputado mais votado. Ele foi eleito com 478.280 votos e tem hoje mais de 2,5 milhões de inscritos em seu canal no Youtube.

O deputado vinha fazendo críticas no plenário e nas redes sociais ao vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia, presidente estadual da legenda, e figuras como o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, também democrata. O governador João Doria (PSDB) é tratado por Val como "lobista que vê São Paulo do helicóptero".

O DEM tem acordo com o PSDB para apoiar na capital paulista a candidatura de Bruno Covas à reeleição. Na mesa, estaria a concordância tucana para abrir mão da cabeça de chapa nas eleições estaduais de 2022 em favor de Rodrigo Garcia, uma vez que Doria se coloca como pré-candidato à Presidência.

Por outro lado, o próprio deputado havia afirmado ao UOL em agosto que estava de saída do DEM para conseguir se candidatar à prefeitura de São Paulo nas eleições do ano que vem. O deputado, no entanto, não podia deixar o partido de forma voluntária sem perder o seu mandato.

Isso porque parlamentares só podem se desfiliar no período de janela partidária —a próxima só acontecerá em março de 2022— ou em casos de desvio do programa partidário ou de perseguição pessoal. As duas últimas possibilidades são sempre analisadas pela Justiça Eleitoral. Como foi expulso, do Val fica com o mandato e pode migrar para outro partido.

A expulsão de Val do DEM atendeu requerimento feito ao Conselho de Ética do partido. A decisão pela saída foi assinada por 11 dirigentes do partido, decidida por unanimidade.

No último dia 16, Arthur havia sido sacramentado como "candidato do MBL" à prefeitura. Sobre isso, ele confirmou que tem intenção de ser candidato, mas que não sabe qual rumo vai tomar.

Questionado se já existe outro partido que possa abrigar sua candidatura, ele respondeu que está "cheio de convites", mas disse que ainda não parou para analisar.

"Eu estava falando até com o DEM, mas se eles forem apoiar o Bruno (Covas, atual prefeito da cidade) vai ser um tiro no pé porque ele ganhou um novo oponente", disse o deputado.

Procurado, o diretório estadual do DEM não se manifestou sobre o assunto.

*Com Estadão Conteúdo

Política