PUBLICIDADE
Topo

Dono de casa usada em campanha de Bolsonaro relata idas de Queiroz ao local

Paulo Marinho, empresário e suplente do senador Flávio Bolsonaro - Ricardo Borges/UOL
Paulo Marinho, empresário e suplente do senador Flávio Bolsonaro Imagem: Ricardo Borges/UOL

Constança Rezende

Do UOL, em Brasília

10/12/2019 16h49

O empresário Paulo Marinho, que abrigou em sua casa parte da estrutura de campanha usada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), disse que Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (filho do presidente), esteve ao menos três vezes no local. Marinho é suplente do senador Flávio e fez a declaração na CPMI das Fake News, no Congresso Nacional, na tarde de hoje.

Segundo o empresário, Queiroz foi acompanhado do senador todas as vezes — ele atuava como seu "motorista" — e para outros trabalhos, que Marinho disse não saber quais seriam.

Marinho é o atual presidente do PSDB no Rio de Janeiro, depois de ter rompido com Bolsonaro. Ele chegou à comissão acompanhado do ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que foi demitido do cargo no começo de 2019 e apenas assistiu ao depoimento.

O empresário afirmou que não teve mais contato com o senador desde a eleição. Disse "acreditar de fato na inocência de Flávio" e que ele foi traído pela confiança de seu assessor (Queiroz).

A declaração foi dada após Marinho ser questionado sobre uma entrevista ao UOL, em agosto, em que disse que Flávio chegou a lhe pedir orientações quando surgiu o caso Coaf na imprensa.

"Flávio me ligou para pedir orientação. Eu sugeri que ele buscasse assessoria jurídica de alguém que tivesse qualificação para entender o que estava acontecendo e aconselhá-lo. Com relação à divulgação do assunto na mídia, achava que ele deveria enfrentar essa discussão diretamente e não ficar na retranca", disse, na ocasião.

Marinho também negou saber se integrantes da campanha do presidente dispararam fake news (notícias falsas) de sua casa. Ele cedeu um dos anexos de sua residência, no Jardim Botânico, na zona sul do Rio, para a empresa AM4, que produzia conteúdo publicitário para a campanha de Bolsonaro. "Fui anfitrião em dois cômodos, no anexo da minha casa, da base de comunicação da campanha Bolsonaro, nos últimos seis meses", contou.

A resposta foi dada à relatora da CPMI, deputada Lídice da Mata, do PSB da Bahia, que o questionou sobre uma entrevista à jornalista Andréia Sadi, da Globonews, em que afirmou que foram enviadas mensagens de fake news para grupos de WhatsApp de sua casa.

Marinho disse ter sido mal compreendido e que apenas repassou "memes" para cerca de 15 pessoas de seu Whatsapp, e não fake news. "Disse isso apenas porque chegava um meme do capitão (presidente), de óculos escuros, arminha na mão, eu repassava para a minha rede de Whatsapp que tinha 15 pessoas. Não tinha nenhuma consequência ali. Me atribuíram coisas que jamais aconteceram na minha residência", afirmou.

Apesar disso, ele disse desconhecer todas as pessoas que trabalharam nesse espaço em sua casa, servindo a comunicação da campanha. "Não ficava ali o dia inteiro", justificou.

O empresário disse que atuou "simplesmente como apoiador" de Bolsonaro e que acreditou, "dado ao cenário político", que Bolsonaro pudesse ser o "interlocutor de parcela importante da população".

Ouça o podcast Baixo Clero com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política