PUBLICIDADE
Topo

Política

Advogado de Queiroz abandona o caso depois de operação do MP-RJ

Flávio Bolsonaro (à esquerda) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz - Reprodução/Instagram
Flávio Bolsonaro (à esquerda) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz Imagem: Reprodução/Instagram

Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

19/12/2019 18h23

Resumo da notícia

  • Advogado Paulo Klein, responsável pela defesa de Fabrício Queiroz e seus familiares, abandonou o caso
  • Klein afirmou ao UOL se tratar de uma "decisão de foro íntimo"
  • A decisão foi tomada pouco mais de 24 horas depois de operação do MP-RJ
  • Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Queiroz, e a parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente

O advogado Paulo Klein, responsável pela defesa de Fabrício Queiroz —ex-assessor de Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ)— e de seus familiares, abandonou o caso. Klein afirmou ao UOL se tratar de uma "decisão de foro íntimo" e reiterou ter "convicção da honestidade dos agora ex-clientes".

A decisão foi tomada pouco mais de 24 horas depois de operação do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) que cumpriu 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Flávio, Queiroz e a parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente. Também atingiu pessoas e empresas apontadas pelo MP com parte de um esquema de lavagem de dinheiro.

Klein assumiu a defesa de Queiroz e de seus familiares em dezembro de 2018, poucos dias depois do relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que implicava o ex-assessor vir à tona. Ele defendeu Queiroz por um ano.

De acordo com o pedido de medidas cautelares feito pelo MP do Rio, Flávio Bolsonaro e Queiroz comandariam um esquema de desvio de recursos públicos através de uma rachadinha —prática em que assessores nomeados por um político, que muitas vezes são funcionários fantasmas, devolvem parte de seus salários. Segundo os promotores do Gaecc (Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção), mais de 20 assessores de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) repassaram dinheiro para as contas bancárias de Queiroz. No total, o ex-assessor recebeu cerca de R$ 2 milhões.

Queiroz chegou a depositar cheques no valor de R$ 24 mil na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro, segundo o relatório do Coaf que deu origem às investigações. O presidente Jair Bolsonaro justificou dizendo que seria a quitação de um antigo empréstimo no valor de R$ 40 mil que fez a Queiroz, mas nunca apresentou nenhum documento para comprovar sua versão.

Empresa de chocolates na mira

Funcionários do MP estiveram na manhã de ontem em uma empresa de Flávio Bolsonaro para recolher documentos. A ação foi realizada pelo Gaecc, responsável pelas investigações do Caso Queiroz. Os investigadores estiveram na sede da empresa Bolsotini Chocolates e Café Ltda —franquia da loja de chocolates Kopenhagen localizada no shopping Via Parque, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

O MP suspeita que a loja foi usada por Flávio Bolsonaro para lavar recursos obtidos através do esquema de rachadinha operado por Queiroz. A estimativa é de que até R$ 1,6 milhão possam ter sido lavados através da empresa.

Os promotores ainda acreditam que o sócio de Flávio no empreendimento, Alexandre Santini, servia como laranja no esquema de lavagem de dinheiro. Cada um dos sócios têm 50% da empresa, mas Flávio recebeu uma quantia muito maior do que o parceiro como dividendos pelos lucros obtidos na loja: R$ 789 mil, enquanto Santini ficou com apenas R$ 289 mil.

Hoje, Flávio gravou um vídeo para atacar o juiz e os promotores do caso. Segundo ele, a diferença na distribuição dos lucros é justificada pelo fato dele conseguir mais clientes do que o sócio.

"Mas é óbvio que alguém tem dúvida que eu levo mais clientes para a loja do que ele?", argumentou.

Senador usava loja para justificar evolução patrimonial

O senador usa frequentemente o fato de ser proprietário da loja como justificativa para suas movimentações financeiras e evolução patrimonial —ambas investigadas pelo MP do Rio.

Em abril, a empresa teve os sigilos fiscal e bancário quebrados pelo juiz Flávio Itabaiana, 27ª Vara Criminal do Rio. No mesmo pedido, Flávio e sua mulher, a dentista Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro, também foram alvos das medidas cautelares.

Em entrevista à RedeTV em janeiro deste ano, Flávio citou suas atividades empresariais como fonte de seu patrimônio.

"Sou empresário. Eu movimento no ano, recebo no ano, do lucro desta minha empresa, muito mais do que eu recebo como deputado. No comércio, você pega dinheiro", afirmou, em referência a movimentações com valores em espécie. "A origem [dos recursos investigados] é a minha empresa e o imóvel que eu vendi, no valor de R$ 2,4 milhões. Você acha que, se fosse um dinheiro ilícito, eu ia depositar na minha conta", questionou.

Porém, relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) divulgado em janeiro pela revista Veja contradiz a versão do senador para explicar seus ganhos financeiros. O documento apontou movimentação atípica de Flávio Bolsonaro R$ 632 mil entre agosto de 2017 e janeiro de 2018.

Segundo o RIF (Relatório de Inteligência Financeira), Flávio recebeu no período R$ 120 mil como lucro da loja. O valor é menor do que sua remuneração à época como deputado estadual, que somou R$ 131 mil no mesmo período. O órgão não conseguiu identificar a origem de outros R$ 90 mil recebidos pelo filho mais velho do presidente.

Política