PUBLICIDADE
Topo

Esperando um sinal, Daciolo profetiza Presidência, mas está de olho no Rio

7.dez.2019 - O ex-deputado federal Cabo Daciolo em reunião do Prona em SP - Daniel Texieira/Estadão Conteúdo
7.dez.2019 - O ex-deputado federal Cabo Daciolo em reunião do Prona em SP Imagem: Daniel Texieira/Estadão Conteúdo

Wellington Ramalhoso

Do UOL, em São Paulo

29/12/2019 04h01

Resumo da notícia

  • Depois de viralizar em 2018, Daciolo mantém sonhos na política
  • Ele profetiza que será presidente e cogita candidatura no Rio em 2020
  • Ex-deputado flertou com Podemos e Prona, antiga legenda de Enéas
  • Daciolo afirma que o governo de Jair Bolsonaro oprime o povo
  • Ele sustenta teoria da Ursal e estreita laços com Vasco da Gama
  • Esposa do ex-parlamentar enfrentou leucemia e fez transplante

O surpreendente candidato que, com uma Bíblia na mão, viralizou em memes na internet e alcançou a marca de 1,3 milhão de votos na eleição presidencial de 2018 anda longe dos holofotes. Mas a presença marcante na campanha do ano passado, em que ficou em 6º lugar, não deve ter sido o fim de uma passagem, até o momento, meteórica pela política.

Para Cabo Daciolo, 43, fé e política se misturam. O ex-deputado federal profetiza que ainda será presidente da República e cogita a possibilidade de disputar a Prefeitura do Rio de Janeiro em 2020.

A campanha eleitoral do ano passado o fez conhecido nacionalmente, mesmo filiado a um partido nanico — o Patriota — com poucos recursos financeiros.

Iniciando a maioria de suas falas com a expressão "Glória a Deus" e mencionando teorias da conspiração como a da Ursal, que seria uma liga de repúblicas socialistas na América do Sul, ele terminou a corrida eleitoral à frente de candidatos mais conhecidos e experientes como Henrique Meirelles (MDB), Marina Silva (Rede) e Alvaro Dias (Podemos).

Da eleição para cá, o bombeiro militar da reserva encerrou seu mandato como deputado federal; diz ter recusado convites para cargos públicos; afastou-se do Patriota; flertou com outros partidos; ajudou a cuidar da esposa, que enfrentou uma leucemia; e aproximou-se do Vasco, seu clube de coração.

Defensor das candidaturas avulsas, ele espera "a porta ser aberta por Deus" para levar adiante uma nova tentativa eleitoral.

Relação direta com o Senhor e jejum no monte

Cabo Daciolo alterna falas na primeira pessoa do singular com outras na terceira pessoa do singular e outras mais na primeira pessoa do plural.

Em meia hora de conversa com a reportagem do UOL em São Paulo, cita Deus 29 vezes e Jesus Cristo outras oito. Na soma, mais de uma citação por minuto.

Filho de uma fiel da Assembleia de Deus, o catarinense radicado no Rio de Janeiro também frequenta esta igreja, porém é um cristão que procura evitar os intermediários e falar diretamente ao "Pai".

A igreja evangélica me ensinou a ler Bíblia. Quando entro no Congresso Nacional, uma das minhas maiores decepções foi a própria bancada evangélica. Quando eu visualizo aquilo entendi mais do que nunca o que estava escrito na palavra, que o nosso corpo é templo e que eu preciso ir para o monte jejuar, orar e buscar o Senhor e levar o amor. É o que eu faço.

"Ir para o monte" foi outra tirada surpreendente de Cabo Daciolo durante a campanha eleitoral. Enquanto os outros candidatos cumpriam compromissos tradicionais, ele anunciava retiros e se afastava.

Precisávamos de orientações divinas para ir a um debate, para expor uma ideia, para colocar uma pauta verdadeira e concreta de solução para a nação. Fomos buscar sabedoria, discernimento, mansidão, um plano de nação. E descíamos [do monte] para o debate e ali falávamos algumas verdades que o povo entendeu, captou, tanto é que deu uma resposta positiva.

Parentes e amigos de Daciolo afirmam que, mesmo antes da campanha eleitoral, ele já tinha o hábito de subir montanhas e passar dias acampado, em jejum e louvando o Senhor. O monte, diz ele, não é um só. Ele frequenta picos como o Monte das Oliveiras, em Campo Grande, na zona oeste do Rio, e outros na região metropolitana.

A varoa, o filho e o Vasco

Companheira e assessora do ex-deputado, a jornalista Cristiane Daciolo foi diagnosticada com leucemia no fim do ano passado. "A minha esposa estava com um quadro de leucemia, um quadro muito sério", conta.

"Ela foi curada de forma maravilhosa. Hoje não tem mais leucemia no sangue dela. Ela fez o transplante de medula, está em casa com nossos filhos, mas é um momento ainda delicado de acompanhamento. Continuamos voltando para o hospital de 15 em 15 dias, às vezes de mês em mês."

O que fez Daciolo aparecer publicamente no último ano foi seu time de futebol. Para o ex-deputado, só uma intervenção divina salvaria o clube da Cruz de Malta do rebaixamento para a Série B.

"Estávamos vivendo um momento muito delicado com minha varoa, uma enfermidade muito séria, que pegou toda a família de surpresa. As crianças [o casal tem três filhos] ficaram muito abaladas com isso. Tenho um filho que é apaixonado por futebol, assim como eu também fui. Minha infância foi o futebol. Eu tinha sonho de ser jogador. Meu filho joga bola e é apaixonado pelo Vasco", conta.

Fomos ver um jogo do Vasco contra o Inter. Eu falei: 'filho, Deus tira o Vasco da tabela rápido, assim como cura a mamãe'. E ele viu isso. O Vasco saiu da zona de rebaixamento.

Ao longo de 2019, Daciolo regressou a São Januário algumas vezes. Gravou um vídeo para incentivar a torcida a se engajar na campanha de participação do programa de sócio-torcedor do clube. Em novembro, chegou a acompanhar a delegação vascaína em uma partida contra o São Paulo na capital paulista.

Viu da arquibancada a derrota do time, mas foi cumprimentado por torcedores rivais. "O carinho das pessoas é muito grande, sabe? É uma coisa muito gostosa. Alguns podem estar falando brincando 'Glória a Deus', muitos com uma seriedade no 'Glória a Deus'. Mas um carinho muito real."

"Namoro" e "renúncia" no partido de Enéas

Daciolo, que iniciou sua carreira política no PSOL, se diz fora do Patriota, mas explica que ainda precisa ir a Brasília formalizar a desfiliação.

Ele afirma ter recebido e recusado convites para ocupar cargos em secretarias, mas não revela de quais governos. "Ninguém está dando cargo e cadeira porque você é bonzinho. Eles querem você do lado, têm um propósito. Essa política que adotam não me agrada."

No primeiro trimestre, o ex-parlamentar reuniu-se com dirigentes do Podemos — a presidente do nacional do partido, deputada federal Renata Abreu (SP), e o presidente estadual do Rio, senador Romário.

Veículos de imprensa chegaram a noticiar que Daciolo havia se filiado à legenda, o que não se concretizou. "Houve uma foto nossa que bateram numa reunião e logo depois disseram que eu estava no Podemos. Mas isso nunca se firmou. Nunca estive no Podemos."

No segundo semestre, ganhou força o "namoro" com o Prona, antigo partido do nacionalista Enéas Carneiro, deputado federal morto em 2007.

Uma fusão da legenda com o PL resultou na criação do PR na década passada. Recentemente, dois grupos — um de São Paulo e outro do Rio — tentaram resgatar o partido e registrá-lo no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ainda sem sucesso.

Cabo Daciolo e Patrícia Lima - Daniel Texieira/Estadão Conteúdo - Daniel Texieira/Estadão Conteúdo
Daciolo supreendeu Patrícia Lima, filha adotiva de Enéas Carneiro, ao desistir de assumir o comando do Prona
Imagem: Daniel Texieira/Estadão Conteúdo

Daciolo passou a dialogar com o grupo paulista, que tem à frente a ex-deputada estadual Patrícia Lima, filha adotiva de Enéas. A conversa avançou ao ponto de o ex-deputado viajar a São Paulo no último dia 7 para participar de um congresso nacional do partido.

Em meio a imagens de Enéas, o salão que abrigou o encontro na zona oeste de São Paulo tinha um painel anunciando Daciolo como presidente nacional do Prona. Outros materiais da legenda traziam o nome do bombeiro da reserva ao lado da dezena 56, antigo número da sigla, uma referência a uma possível candidatura a presidente em 2022.

Para a surpresa dos cerca de cem presentes, ele declarou no discurso que apoiaria a tentativa, mas não assumiria o comando do processo e da legenda.

"Teríamos que colher 492 mil assinaturas [para conseguir o registro]. Agradeci o carinho, agradeci a atenção. Verdadeiramente tenho uma admiração muito grande pelo dr. Enéas, mas Daciolo tem características, em alguns pontos, diferentes do dr. Enéas. Dr. Enéas é insubstituível para o Prona. E é uma imagem muito limpa [a] do Prona. Eu não posso ser o presidente do Prona. Fico preocupado com partidos políticos porque o montante em dinheiro que hoje entra nos partidos motiva a corrupção."

Para justificar a desistência, Daciolo também argumentou que a própria Patrícia havia comentado que Enéas Carneiro dissera, antes de morrer, que o Prona não deveria ser retomado. "Respeito o desejo do criador", afirma.

Daciolo Prona - Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo - Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo
Painel anunciava Daciolo como presidente nacional do Prona, partido que está sem registro no TSE
Imagem: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

Possível candidatura a prefeito do Rio

A recusa em comandar o Prona também teria relação com a intenção do ex-deputado de se candidatar a prefeito do Rio em 2020. Como seria impossível registrar a legenda a tempo de disputar as eleições municipais, ele teria de buscar outra sigla para participar do pleito de outubro.

O Rio é um grande desafio. Eu acho que o cenário do Rio de Janeiro é bem interessante. Esse caos do Rio reflete de forma negativa para a nação. Da mesma forma que uma solução para o Rio de Janeiro traz soluções diretamente para a nação. Seria um passo, seria um caminho, temos que orar para visualizar isso.

Enquanto não acerta com uma legenda, Daciolo torce para que a proposta de liberação de candidaturas avulsas avance no país. "[Sou] muito a favor [das candidaturas avulsas]. Esse é o caminho da transformação política. Acredito em pessoas, mas não acredito em partido."

Bolsonaro e Guedes - Marcelo Camargo/Agência Brasil - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Para Daciolo, Bolsonaro deveria se afastar dos projetos liberais que o ministro Paulo Guedes adota na economia
Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

"Governo Bolsonaro oprime o povo"

Na opinião do bombeiro da reserva, o governo Jair Bolsonaro (sem partido) decepciona e o presidente deveria rejeitar o liberalismo econômico do ministro Paulo Guedes.

Bolsonaro era um dos poucos parlamentares que eu conversava dentro do Congresso Nacional. Ele sempre foi contra essas reformas que fez. Por que agora ele é a favor? O que mudou? Esse cenário de reforma mudou o quê no bolso do trabalhador, do povo? Onde está o aumento de emprego, onde está a diminuição da extrema pobreza? Então, esse não é o caminho correto. Estão oprimindo ainda mais o povo.

Daciolo, que esteve detido depois de liderar uma greve de bombeiros no Rio em 2011, faz questão de marcar outro contraponto a Bolsonaro ao defender a população carcerária. "Me preocupa o cenário dos presos da nossa nação. Eu zelo pelos presos. Temos que trazer a educação para o povo. Dar educação, dar formação, dar curso técnico transforma uma nação. Isso não está acontecendo."

Ursal -  -
Citada por Daciolo em debate eleitoral, Ursal virou meme e até bloco de Carnaval

Ainda a Ursal e a nova ordem mundial

O ex-parlamentar ainda defende as teorias que propagou em 2018, como a da Ursal, a suposta União das Repúblicas Socialistas da América Latina. "A Constituição Federal no artigo número quatro, no parágrafo único, vai falar da construção de uma sociedade latino-americana de nações. É uma união para quebra de fronteiras rígidas. Esse é o desejo de centralizar o poder em uma única liderança. Esse é o desejo para controlar a massa. Para que isso aconteça, também vem um processo de destruição de massa."

A reportagem do UOL checou o parágrafo citado. O texto afirma que o Brasil "buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações".

Tirando Getúlio Vargas, de quem se diz admirador, ele afirma que os presidentes têm servido à nova ordem mundial e entregado as riquezas do país.

"Lula entregou também, igual ele [Bolsonaro] está entregando agora. E outros entregaram também. [José] Sarney entregou, Fernando Henrique [Cardoso entregou], todos que sentaram lá entregaram", afirma

Uma grande verdade que visualizei é que esse papo de esquerda e direita é mentira, eles são amiguinhos. É um cenário de dividir para conquistar. O povo está brigando, e, com isso, um sistema por trás está controlando tudo. Digo que é a nova ordem mundial. É um cenário que alguns podem falar que é teoria da conspiração, mas cada vez mais fica mais claro para a nação.

Política