PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro faz piada com ministros sobre eleição em 2026: "Perdeu, Moro"

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

16/01/2020 17h20

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez piada com a eleição de 2026 e brincou com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, apontado-o como um possível candidato à sua sucessão. O momento de descontração ocorreu durante um café com jovens venezuelanos que visitaram hoje o Palácio do Planalto e realizaram uma apresentação musical.

Enquanto Bolsonaro confraternizava com as crianças e adolescentes do país vizinho, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, apresentou a Bolsonaro o presidente da companhia aérea Azul, John Rodgerson. O empresário revelou ao presidente que, até o fim do ano, receberá da Embraer 27 novos aviões já negociados.

Considerando-se reeleito em 2022, Bolsonaro perguntou então: "A partir de 27 [isto é, 2027] quem assume aqui no Brasil?". Ele apontou com o polegar para trás de sua cadeira, onde estavam Heleno e Moro, em pé. Rodgerson respondeu: "Está logo atrás de você". O presidente retrucou: "Heleno?". A resposta foi sucedida de gargalhadas dos que presenciaram a cena.

Bolsonaro se virou para a dupla de ministros e emendou: "Aí, perdeu Moro". Todos deram risada, com exceção dos jovens venezuelanos.

Moro é apontado como um dos possíveis candidatos na corrida pelo Palácio do Planalto em 2022. O ministro, no entanto, nega que tenha pretensão eleitoral.

Desabafo

O presidente também afirmou durante a agenda que não é fácil governar com "tanta oposição" e, em tom de desabafo, disse que "sua vida praticamente acabou depois das eleições". Com voz chorosa e visivelmente emocionado, ele afirmou: "Não queira estar no meu lugar. Sabia que ia ser difícil, mas temos aqui uma prova viva que devemos lutar pelos nossos filhos".

"Quase por um milagre o Brasil conseguiu mudar o seu governo. Não é fácil manter a linha que nós queremos manter com tanta oposição."

Na visão dele, "alguns reclamam o tempo todo" e mesmo brasileiros teoricamente simpáticos ao governo "querem que a gente mude o país de um ano para o outro".

"Tem que ter uma conscientização no Brasil. Minha vida acabou... [pausa emocionada]. Praticamente acabou depois das eleições. Não estou reclamando disso. Peço apenas que os brasileiros pensem no seu país."

Política