PUBLICIDADE
Topo

Covas diz que se mudará para a Prefeitura e anuncia suspensão do rodízio

Bruno Covas concede entrevista ao Brasil Urgente sobre medidas da cidade de São Paulo contra o coronavírus - Reprodução/Band
Bruno Covas concede entrevista ao Brasil Urgente sobre medidas da cidade de São Paulo contra o coronavírus Imagem: Reprodução/Band

Do UOL, em São Paulo

16/03/2020 16h58

O prefeito de São Paulo Bruno Covas anunciou na tarde de hoje, durante entrevista ao Brasil Urgente, que vai se mudar para a Prefeitura para acompanhar a propagação da pandemia de coronavírus pela cidade.

"Por conta deste risco, estou me mudando para a Prefeitura. Passarei a dormir na prefeitura para acompanhar 24 horas por dia e sete dias por semana a expensão dessa questão na cidade", disse.

O prefeito anunciou uma série de novas medidas para conter a pandemia — a principal delas: suspender o rodízio de veículos a partir de amanhã e por tempo indeterminado.

"A partir de amanhã fica suspenso o rodízio para evitar que as pessoas utilizem transporte público e utilizem mais o carro. Do ponto de vista ambiental, claro, não é o mais indicado, mas neste momento esta é a orientação", disse Covas.

Os ônibus da cidade serão higienizados com água sanitária sempre que completarem a linha, ou seja, diversas vezes por dia.

Eventos cancelados e outras medidas

Segundo o prefeito, a cidade não concederá mais alvarás para eventos particulares que dependem de autorização da Prefeitura para acontecer. Alvarás que já foram concedidos serão cancelados.

A Prefeitura anunciou o fechamento de equipamentos culturais e assistência social, exceto aqueles de acolhimento à população de rua.

Servidores públicos com mais de 60 anos ou imunodepressivos serão liberados para trabalhar de casa. Os trabalhadores fora do grupo de risco serão divididos em dois turnos: metade trabalhará no período da manhã e metade no período da tarde. A medida, segundo Covas, deve "mudar a lógica do horário de pico na cidade".

O prefeito prometeu, ainda, 490 novos leitos de UTI em hospitais públicos.

Crise de abastecimento

Covas garantiu que a cidade não corre risco de passar por uma crise de desabastecimento nas próximas semanas.

"As feiras livres estão mantidas, o secretário de Abastecimento está acompanhando [o fluxo] com a Ceagesp. Não há nenhuma situação que faça com que as pessoas tenham que correr para os supermercados ou farmácias", disse.

"Não há crise de desabastecimento e nem se avizinha uma crise de abastecimento na cidade de São Paulo", concluiu.

Coronavírus