PUBLICIDADE
Topo

Aliado de Bolsonaro, Crivella fala em reabrir lojas, mas mantém isolamento

20.03.2020 - Vendedor ambulante usa máscara de proteção durante tarde na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, esvaziada em função do temor de coronavírus - Carl de Souza/AFP
20.03.2020 - Vendedor ambulante usa máscara de proteção durante tarde na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, esvaziada em função do temor de coronavírus Imagem: Carl de Souza/AFP

Do UOL, no Rio e em São Paulo

25/03/2020 14h39

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), informou na tarde de hoje que reabrirá lojas de material de construção e de conveniência em postos de gasolina a partir de sexta-feira (27). Após o anúncio em seu perfil no Twitter, a equipe de comunicação de Crivella reiterou contudo que a ordem do prefeito é a manutenção do isolamento social por 15 dias.

"A partir de sexta (27), começaremos a abrir, aos poucos, alguns comércios, como lojas de material de construção e lojas de conveniência (postos de gasolina)", disse Crivella. O anúncio acontece após pronunciamento feito ontem à noite pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem Crivella é aliado. O presidente afirmou que a covid-19 é uma "gripezinha" e que a população deveria "voltar à normalidade".

Segundo Crivella, haverá um trabalho de conscientização da população para que não haja "aglomeração".

Apesar de o prefeito falar em uma abertura gradual de "alguns comércios" em seu tuíte, a assessoria de Crivella nega que ele tenha recuado na determinação pelo isolamento.

Após o anúncio, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), prepara decreto para desautorizar a reabertura das lojas divulgada por Crivella, segundo informou o jornal O Globo.

Hoje mais cedo, em entrevista coletiva, o prefeito disse ser "fundamental, incontornável e irremediável mantermos medidas de afastamento social nos próximos 15 dias".

A Frente Nacional de Prefeitos repudiou hoje o posicionamento de Jair Bolsonaro, que minimizou a crise do coronavírus e criticou medidas como o fechamento de escolas. Integrantes da entidade se manifestaram em defesa às medidas restritivas de isolamento.

Coronavírus