PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro provoca aglomeração em farmácia e põe culpa na imprensa

O presidente Jair Bolsonaro visita uma farmácia em Brasília e é cercado por jornalistas e apoiadores - Reprodução/Twitter/@patriotas
O presidente Jair Bolsonaro visita uma farmácia em Brasília e é cercado por jornalistas e apoiadores Imagem: Reprodução/Twitter/@patriotas

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

10/04/2020 18h01

Em meio à pandemia do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) descumpriu hoje a orientação de isolamento social e decidiu passear por Brasília, provocando aglomerações por onde passou.

No sudoeste, bairro de classe média da capital federal, o mandatário parou em uma farmácia para, segundo ele, "comprar medicamento". Consequentemente, Bolsonaro foi cercado por vários repórteres e apoiadores que o aguardavam no local.

O ato vai na contramão das recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde), que recomenda manter distância mínima de 1 metro para evitar o alastramento do covid-19.

Mais tarde, no Twitter, Bolsonaro postou um vídeo do momento em que deixou a drogaria e transferiu à imprensa a responsabilidade por ter sido cercado.

Durante o passeio, o presidente apertou a mão de uma mulher idosa poucos instantes após ter esfregado o próprio nariz com o dorso da mão que usou para fazer os cumprimentos.

O coronavírus pode ser transmitido pelo contato com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse e catarro.

O passeio

Acompanhado por uma comitiva de seguranças, Bolsonaro resolveu aproveitar o feriado prolongado de páscoa apesar da necessidade de isolamento social decorrente do risco do novo coronavírus. Primeiro, ele foi primeiro ao HFA (Hospital das Forças Armadas). Depois, parou na farmácia do Sudoeste, onde tirou fotos com apoiadores.

Por fim, visitou o apartamento do filho Jair Renan, localizado na mesma região. Foi nessa última parada que Bolsonaro esfregou o nariz com a mão direita e em seguida apertou a mão de uma idosa e de um outro apoiador. A cena foi registrada pela TV Globo.

No final da tarde de ontem, Bolsonaro foi a uma padaria na Asa Norte de Brasília, também contrariando as orientações da OMS e do ministro da Saúde de seu próprio governo, Luiz Henrique Mandetta (DEM).

No balcão da padaria, o presidente comeu um pão doce e bebeu refrigerante Segundo decreto do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), o comércio pode vender alimentos, mas não é permitido consumir no local.

Em 29 de março, o presidente também quebrou o isolamento social e percorreu regiões comerciais em Taguatinga e Ceilândia, no Distrito Federal.


Política