PUBLICIDADE
Topo

Política

Com internet instável, Bolsonaro tenta fazer live contra a TV Globo

Do UOL, em São Paulo

26/04/2020 22h44Atualizada em 27/04/2020 13h52

Durante transmissão ao vivo pelo Facebook hoje, interrompida por problemas com o sinal de internet no Palácio da Alvorada, em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez ataques à Rede Globo e ao jornalista Vladimir Netto por conta de reportagem exibida pelo programa Fantástico sobre as acusações do ex-ministro Sergio Moro de que ele teria interesse em interferir em investigações da Polícia Federal.

"Matéria no Fantástico da TV Globo contra a minha pessoa. Eu assisti a Globo hoje, contra os meus princípios", disse o presidente antes de a live ser interrompida por intermitência do sinal de internet.

Numa terceira tentativa de falar ao vivo pela internet, Bolsonaro seguiu atacando: "O Fantástico acabou agora uma matéria que quem apresentou foi seu Vladimir Netto, filho da Miriam Leitão, cuja esposa trabalhava até pouco tempo como assessora de imprensa, DAS-6, do sr Sergio Moro, no Ministério da Justiça. Só isso aqui já dá pra encerrar, mas vamos lá", disse.

A mulher de Vladimir Netto é a jornalista Giselly Siqueira, que foi a primeira assessora de comunicação de Moro no Ministério da Justiça. Diferentemente do que disse Bolsonaro, ela não trabalhava com Moro até "pouco tempo". Ela deixou o cargo em 9 de julho de 2019.

Antes de iniciar a terceira tentativa de transmissão, Bolsonaro reclamou da internet do Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente "Vamos tentar pela terceira vez. Se não conseguir dessa vez eu vou desistir. Já determinei aqui que a internet do Alvorada não pode ser desse padrão. O presidente da República precisa desse instrumento para poder bem trabalhar."

Na reportagem mencionada por Bolsonaro, a Globo usa como base as acusações de Moro, feitas em seu discurso de demissão, de que o presidente queria interferir na Polícia Federal.

Segundo apuração da emissora, a preocupação do Palácio do Planalto é que os inquéritos possam atingir dois filhos do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro e o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

A Globo relembra quando Bolsonaro participou de atos pró-ditadura em Brasília, no domingo passado (19) e depois disse, no dia seguinte, que era a favor da democracia.

Após as acusações de Moro, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou a permanência dos delegados que estão no inquérito das fake news, que podem atingir Carlos e Eduardo, e Moro apresentou provas no Jornal Nacional da interferência do presidente.

Segundo a reportagem, a deputada Lídice da Mata (PSB-BA), da CPMI das Fake News, disse que a investigação parlamentar está se aproximando do filho do presidente.

Na noite de hoje, o UOL enviou pedido de resposta à TV Globo. O posicionamento da emissora será incluído neste texto.

Política