PUBLICIDADE
Topo

Política

Juiz volta atrás e diz que Dona Marisa tinha R$ 26 mil e não R$ 256 milhões

Ex-primeira-dama Marisa Letícia - Ernesto Rodrigues/ Estadão Conteúdo
Ex-primeira-dama Marisa Letícia Imagem: Ernesto Rodrigues/ Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

08/05/2020 09h23Atualizada em 08/05/2020 18h22

O juiz Carlos Henrique André Lisbôa, da 1ª Vara da Família e das Sucessões de São Bernardo do Campo, admitiu, indiretamente, ter confundido o valor em investimentos que Marisa Letícia Lula da Silva possuía. Em despacho assinado em 6 de maio e tornado público ontem, ele reconheceu que a quantia da mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) era de R$ 26 mil, e não R$ 256 milhões.

Em nota emitida no mês passado, os advogados da ex-primeira-dama explicaram que o magistrado havia confundido o valor unitário de cada certificado com o valor unitário de debêntures de outra natureza, e acabou estimando um valor dez mil vezes maior que o real.

"O inventariante se manifestou por meio da petição de fls. 573/576 e juntou o extrato de fls. 577/584. Restou demonstrado que o investimento que a falecida possuía no Banco Bradesco tem saldo líquido de R$26.282,74 (fls. 578) e que ele não é regulamentado pelos contratos acostados a fs. 394/427 e 428/468. A questão, portanto, está devidamente esclarecida", escreveu no despacho.

Lula, que era casado com Marisa, lamentou hoje no Twitter que o magistrado não tenha se desculpado pelo erro no documento.

"A palavra desculpas é muito importante e deveria servir pra todos. Eu aprendi com a minha mãe. Seria importante que o juiz que cometeu o erro, tivesse aprendido a pedir desculpas no curso que ele fez", escreveu o petista.

Erro foi compartilhado por irmãos Bolsonaro e Regina Duarte

A notícia de que Marisa Letícia teria investimentos de R$ 256 milhões de reais foi amplamente compartilhada, inclusive por membros do governo Bolsonaro - dois filhos do presidente, Carlos e Eduardo Bolsonaro (respectivamente vereador no Rio de Janeiro e deputado federal) e Regina Duarte, secretária especial da Cultura.

No despacho do dia 6, o juiz diz que o uso da decisão errônea para a produção de notícias falsas é questão a ser tratada, caso haja interesse, em outra ação na Justiça.

Os herdeiros da ex-primeira-dama já haviam anunciado que vão à Justiça contra Eduardo e Regina pela informação falsa que atinge "a memória e honra de Dona Marisa".

Ainda no Twitter, Lula questionou se Eduardo Bolsonaro e Regina Duarte vão se retratar por terem compartilhado uma notícia falsa.

Dona Marisa morreu em fevereiro de 2017, vítima de um AVC hemorrágico.

Política