PUBLICIDADE
Topo

Política

'Inquérito político e ideológico', diz Carlos Bolsonaro após operação da PF

Vereador criticou inquérito das fake news que motivou operação da Polícia Federal - Dida Sampaio / AE
Vereador criticou inquérito das fake news que motivou operação da Polícia Federal Imagem: Dida Sampaio / AE

Do UOL, em São Paulo

27/05/2020 09h10

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) se manifestou logo após a operação da Polícia Federal deflagrada na manhã de hoje para cumprir 29 mandados de busca e apreensão no inquérito das fake news que investiga ataques a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). O parlamentar criticou o inquérito e a investigação.

"O que está acontecendo é algo que qualquer um desconfie que seja proposital. Querem incentivar rachaduras diante de inquérito inconstitucional, político e ideológico sobre o pretexto de uma palavra politicamente correta? Você que ri disso não entendo o quão em perigo está!", escreveu o vereador carioca no Twitter.

Carlos faz referência à investigação conduzida pelo ministro Alexandre de Moraes no STF. O processo ficou conhecido como inquérito das fake news e motivou hoje uma operação da PF que mirou parlamentares, empresários e blogueiros envolvidos na propagação de notícias falsas contra autoridades e ao próprio STF.

Entre os alvos da operação estão o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), a ativista Sara Winter, o blogueiro Allan dos Santos e o empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Carlos Bolsonaro foi identificado pela PF como um dos articuladores da suposta rede de fake news. O vereador nega a informação.

Irmão também questiona inquérito

As ordens judiciais que estão sendo cumpridas no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina também motivaram questionamentos de outro filho do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo (PSL).

O parlamentar deu a entender que o prosseguimento do inquérito acontece por vontade pessoal do ministro Alexandre de Moraes, que estaria fazendo um processo "judicialiforme", termo que remete a um inquérito com acusação e julgamento feitos pela mesma pessoa.

"Esse não é aquele inquérito que a PGR Raquel Dodge pediu para arquivar mas o Ministro do STF Alexandre de Moraes não permitiu e deu continuidade?", questionou Eduardo. "Achei que não existisse processo judicialiforme no Brasil... Não é o MP/PGR titular da ação penal?", completou o deputado.

Política