PUBLICIDADE
Topo

Política

Jefferson, Hang e bolsonaristas são alvos de ação contra fake news

Roberto Jefferson aparece empunhando um fuzil contra "comunistas" - Twitter/Divulgação
Roberto Jefferson aparece empunhando um fuzil contra "comunistas" Imagem: Twitter/Divulgação

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

27/05/2020 07h21Atualizada em 27/05/2020 14h48

A Polícia Federal cumpre na manhã de hoje mandados de busca e apreensão em cinco estados e no Distrito Federal relacionados ao inquérito das fake news que é conduzido pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Ao todo, foram expedidos 29 mandados de busca e apreensão pelo ministro Alexandre de Moraes, que conduz o inquérito.

Entre os alvos estão pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), como:

  • o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB)
  • o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP)
  • a ativista Sara Winter
  • o empresário Luciano Hang
  • o blogueiro Allan dos Santos

As ordens judiciais estão sendo cumpridas no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.

O inquérito das fake news no Supremo foi aberto em março do ano passado para apurar "a existência de notícias fraudulentas (fake news), denunciações caluniosas, ameaças e infrações revestidas de animus caluniandi, difamandi ou injuriandi, que atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares".

A assessoria do PTB confirmou que agentes federais estiveram na casa de Jefferson e que já deixaram o local. No Twitter, Roberto Jefferson disse que teve suas armas e computadores apreendidos e classificou a ação como "covarde, canalha e intimidatória".

Garcia, parlamentar de São Paulo, disse que a operação visa "calar os conservadores".

Nas redes sociais, Winter disse que a PF esteve em sua casa às 6h de hoje. "Levaram meu celular e notebook. Estou praticamente incomunicável". Ela ofendeu o ministro do Supremo e disse: "você não vai me calar".

Em vídeo nas suas redes sociais, o empresário Luciano Hang disse ter tido o celular e computador pessoal apreendidos na operação e afirmou que "jamais" atuou com fake news ou "atentou" contra o STF.

"Levaram meu celular e meu computador pessoal para ver se eu tinha feito alguma coisa contra o STF, fake news contra a corte. Jamais. STF, Poder Executivo, Legislativo, são poderes que exercem sua liberdade de expressão. Então jamais atentei ou fiz fake news contra o STF", disse Hang.

Recentemente o empresário foi condenado em outro processo a indenizar o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, em R$ 20,9 mil, após ter propagado uma notícia falsa contra o reitor.

O humorista Rey Biannchi também foi alvo da operação de hoje e postou em suas redes sociais um vídeo em que aparece com o mandado judicial nas mãos e faz críticas à ação do STF.

Política