PUBLICIDADE
Topo

Política

Em depoimento, Queiroz diz que deu 'satisfação' a Flávio sobre 'rachadinha'

10.jul.2020 - Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), deixa o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro - Alexandre Brum/Estadão Conteúdo
10.jul.2020 - Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), deixa o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro Imagem: Alexandre Brum/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

04/08/2020 00h08

Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Fabrício Queiroz disse em depoimento no presídio Bangu 8, no Rio de Janeiro, que deu "satisfação" ao filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o caso das "rachadinhas".

A declaração foi exibida, com exclusividade, pelo Jornal Nacional, que teve acesso ao vídeo do depoimento relacionado à investigação sobre o suposto vazamento de informações sobre a Operação Furna da Onça. A defesa de Queiroz negou que ele tenha feito tal declaração.

Segundo a reportagem, Queiroz afirmou que Flávio ficou surpreso ao ser informado sobre a "rachadinha".

"Eu tive um contato com o senador — ele não era senador, era deputado, mas já estava eleito. Eu dei satisfação a ele do que aconteceu. Ele estava muito chateado, revoltado. Ele falou: 'Não acredito que tu tenha feito isso, não acredito'", disse no vídeo.

As imagens trazem ainda o ex-assessor afirmando que acreditava que iria trabalhar com Jair ou com o senador após a família vencer as eleições em 2018.

"Com um ou com outro", disse. Ao ser questionado se seria em Brasília, Queiroz confirmou: "Era o certo, não é? Acho que sim. Só se eles não quisessem".

O nome de Queiroz foi citado em um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) associado a movimentações financeiras atípicas da ordem de R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Foi verificado um grande número de operações com dinheiro vivo assim como depósitos de assessores e ex-assessores de Flávio Bolsonaro na conta de Queiroz, que atualmente está em prisão domiciliar após autorização do presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Em nota, a a defesa de Fabrício Queiroz afirmou que "repudia a insinuação de que ele tenha dado satisfação acerca de rachadinhas ao então recém-eleito senador Flavio Bolsonaro". A defesa comentou que "Fabrício Queiroz deu satisfação acerca dos fatos investigados, a mesma que após a comprovação judicial conduzirá à sua absolvição em face de eventual ação penal que, ressalte-se, não foi sequer proposta".

Como funcionava a rachadinha, segundo o MP-RJ

Segundo o MP-RJ, a rachadinha ocorreu no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro entre abril de 2007 e dezembro de 2018. Os promotores apontaram Queiroz como o operador financeiro de um esquema que movimentou mais de R$ 2 milhões no período, com a participação de ao menos 11 servidores, que repassavam 40% dos seus salários —média de R$ 15 mil por mês, segundo levantamento feito pelo UOL.

Os recolhimentos eram feitos próximos às datas dos pagamentos dos salários na Alerj. Os funcionários eram ligados a Queiroz por relações de parentesco, vizinhança ou amizade, aponta o MP-RJ.

A investigação começou quando relatório do Coaf indicou movimentação atípica nas contas Queiroz de R$ 1,2 milhão em um ano, com depósitos e saques em dinheiro vivo em datas próximas aos pagamentos na Alerj. Queiroz disse ao MP que usava o dinheiro para remunerar assessores informais do gabinete. Mas a defesa nunca apontou quem eram os supostos beneficiários.

Confira a nota da defesa de Queiroz na íntegra:

"A defesa de Fabrício Queiroz repudia a insinuação de que ele tenha dado satisfação acerca de rachadinhas ao então recém eleito senador Flavio Bolsonaro. Esclarece que Fabrício Queiroz deu satisfação acerca dos fatos investigados, a mesma que após a comprovação judicial conduzirá à sua absolvição em face de eventual ação penal que, ressalte-se, não foi sequer proposta."

Política