PUBLICIDADE
Topo

Política

ONGs e outros países usam queimadas para 'derrubar' Bolsonaro, diz Heleno

Felipe Amorim e Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

21/09/2020 10h34

O ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, disse que entidades internacionais, nações e personalidades têm "objetivo" de "prejudicar o Brasil e derrubar o governo Bolsonaro". O ministro não indicou quais países têm inteções de destituir Jair Bolsonaro (sem partido) do cargo.

"Não podemos admitir e incentivar que nações, entidades e personalidades estrangeiras, sem passado que lhes dê autoridade moral para nos criticar tenham sucesso no seu objetivo principal, obviamente oculto, mas evidente para os não inocentes que é prejudicar o Brasil e derrubar o governo Bolsonaro", afirmou.

Nos últimos meses, o país bateu recordes com o aumento das queimadas na Amazônia e no Pantanal.

As declarações aconteceram durante a abertura da audiência pública que debate a aplicação de recursos do Fundo do Clima (Fundo Nacional sobre Mudança do Clima).

Em processo apresentado ao STF, os partidos PSB, PSOL, PT e Rede acusam o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de ter paralisado a aplicação de recursos do fundo desde o início de seu governo, em 2019. Barroso é o relator da ação.

O ministro Heleno é um dos conselheiros mais próximos de Bolsonaro. Enquanto era general do Exército, comandou missões na região amazônica por dois anos.

"É importante ressaltar que o assunto é altamente polêmico. Não há comprovação científica de que o aumento de incêndio nas florestas primárias decorra de inação do governo federal. Na verdade, elas têm a ver com fenômenos naturais, cuja ação humana é incapaz de impedir", disse Heleno.

Segundo Heleno, ele se entristece com brasileiros que se "aliam" a estrangeiros que "jamais pisaram na Amazônia. Conhecem a Amazônia por fotografia e ONGs que têm por trás potências estrangeiras para nos apresentarem ao mundo como vilões do desmatamento e do aquecimento do planeta", disse.

Segundo Heleno, as entidades usam argumentos falsos, "números fabricados e manipulados e acusações infundadas para prejudicar o Brasil".

Política