PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

'Por que o desespero?', questiona Renan sobre reação de Bolsonaro a Kajuru

Renan Calheiros disse que Rodrigo Pacheco "errou demais" - Pedro França/Agência Senado
Renan Calheiros disse que Rodrigo Pacheco "errou demais" Imagem: Pedro França/Agência Senado

Colaboração para o UOL

12/04/2021 17h28

O senador Renan Calheiros (MDB) viu desespero na conversa entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o senador Jorge Kajuru (Cidadania), revelada ontem. Ele afirmou que o diálogo entre os dois "é um ótimo motivo" para começar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar possíveis erros do governo federal no combate contra o coronavírus. E também criticou a demora do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) para instaurar a comissão.

"Se o governo não cometeu erros, não praticou omissão, por que o desespero que nós verificamos ontem no Presidente da República, no telefonema com o Kajuru? Por que esse sobressalto com a CPI? A CPI será algo absolutamente normal, até porque é constitucional na vida política brasileira", declarou o político em entrevista ao programa "Sua Excelência, o Fato".

Calheiros entende que a conversa entre Bolsonaro e Kajuru revela uma tentativa de obscurecer a investigação contra o governo federal. Por isso o senador disse que Pacheco já deveria ter aberto a comissão oficialmente.

"O recomendável era o Pacheco se antecipar e instalar a CPI, mas ele preferiu ouvir o presidente e levou o Senado para essa situação ridícula, para ser uma espécie de cúmplice e espectador desse morticínio. E apesar de dizer que vai instalar a CPI, o Pacheco continua permitindo que haja manobras de bastidores para pressionar o Supremo Tribunal Federal e membros da própria CPI, com o objetivo de retirar assinaturas e pressionar pessoas para antecipadamente ampliar o escopo da investigação. Ele errou demais", declarou.

O alagoano também aproveitou para citar que a CPI pode investigar possíveis erros de estados e municípios durante a pandemia, o que, segundo ele, não precisa ser indicado desde o início da comissão.

"O papel da CPI é iluminar compartimentos escuros. Se houver compartimentos escuros no município, no estado ou na União, temos que iluminá-los. Não precisa preocupação de até onde vai a CPI. O importante é que CPI vá", pediu Calheiros.

Política