PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Senadoras pedem ajuda à OMS para aquisição de 'kit intubação' e vacinas

"A situação é gravíssima, estamos na iminência de um verdadeiro colapso", disse Simone Tebet, líder da bancada feminina no Senado - GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO
"A situação é gravíssima, estamos na iminência de um verdadeiro colapso", disse Simone Tebet, líder da bancada feminina no Senado Imagem: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO

Da Agência Senado

19/04/2021 17h49

A bancada feminina do Senado enviará hoje um ofício à diretora-assistente da OMS (Organização Mundial da Saúde), Mariângela Batista Galvão Simão, para pedir ajuda da entidade para aquisição de vacinas contra a covid-19 e medicamentos do chamado "kit intubação" — com efeito sedativo e usado para permitir o uso de respiradores. As senadoras pedem que a organização interceda junto às empresas e aos laboratórios para agilizar a entrega dos insumos para o Brasil.

O documento, a ser assinado pelas 12 parlamentares da bancada, descreve o cenário crítico em que o sistema de saúde do país se encontra, com falta de oxigênio, sedativos e neurobloqueadores usados para intubação dos pacientes graves de covid-19.

"Só em São Paulo, estado brasileiro mais populoso e referência para atendimentos médicos, 68% dos serviços de saúde já estão com os estoques de neurobloqueadores e sedativos zerados. Grande parte dos outros estados brasileiros possui estoques em estágio crítico, com margem de cobertura para apenas dois ou três dias", relatam as parlamentares no ofício.

O texto também menciona o ocorrido em Manaus, em janeiro, quando inúmeros pacientes morreram por falta de oxigênio.

"Não é aceitável que se repita em nenhum outro lugar o ocorrido em Manaus no início deste ano, em que a escassez do fornecimento de oxigênio hospitalar levou à morte, por asfixia, muitos brasileiros".

Colapso

A líder da bancada feminina, senadora Simone Tebet (MDB-MS), ressaltou que a crise de desabastecimento não afeta somente os hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde), mas também os hospitais particulares em todo o país.

"A situação é gravíssima, estamos na iminência de um verdadeiro colapso", afirmou.

No ofício, as senadoras também elogiaram o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Elas dizem que o ministro vem se esforçando para a construção de uma frente ampla de atuação para implementar medidas alternativas urgentes de suporte ao sistema de saúde brasileiro. No entanto, as parlamentares pedem ajuda da OMS para evitar que a situação no país se agrave ainda mais pela falta de insumos.

"É nesse momento que as ações preventivas e o planejamento a médio e longo prazos devem acontecer, para evitar que os tristes dados estatísticos, como os do mês passado, pico da pandemia no Brasil, voltem a estampar os nossos jornais e ceifar as vidas de inúmeros brasileiros", diz um trecho da carta.

O documento deve ser assinado pelas senadoras Daniella Ribeiro (PP-PB), Eliziane Gama (Cidadania-MA), Kátia Abreu (PP-TO), Leila Barros (PSB-DF), Mailza Gomes (PP-AC), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Maria do Carmo Alves (DEM-SE), Nilda Gondim (MDB-PB), Rose de Freitas (MDB-ES), Simone Tebet (MDB-MS), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Zenaide Maia (Pros-RN).

Pandemia no Brasil

De acordo com os números registrados oficialmente, mais de 370 mil pessoas morreram no Brasil de covid-19 desde o início da pandemia, e quase 14 milhões foram infectados pelo vírus no país até o momento, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte.

Segundo o mesmo consórcio, 26.024.553 brasileiros tomaram a primeira dose da vacina contra a covid-19, o que corresponde a 12,29% da população. Já a segunda dose foi aplicada em 9.479.785 pessoas (4,48% da população). No total, mais de 35 milhões de doses foram aplicadas.

Política