PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Ciro Gomes recebe 2ª dose da CoronaVac e chama Bolsonaro de genocida

Ciro Gomes foi imunizado com a segunda dose da vacina contra a covid-19 ontem, no Ceará - Reprodução / Twitter
Ciro Gomes foi imunizado com a segunda dose da vacina contra a covid-19 ontem, no Ceará Imagem: Reprodução / Twitter

Do UOL, em São Paulo

17/05/2021 13h08Atualizada em 17/05/2021 14h11

Ciro Gomes (PDT), 63, recebeu a segunda dose da vacina contra a covid-19 ontem, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza. Ele foi imunizado com a CoronaVac e havia recebido a primeira dose no dia 3 de abril, em um posto de saúde localizado no bairro Pirambu.

Na publicação compartilhada no Twitter, o ex-governador do Ceará voltou a criticar Jair Bolsonaro (sem partido), chamando-o de genocida.

A segunda dose da vacina veio graças ao trabalho incansável do governador Camilo Santana, que precisou entrar na justiça contra o governo federal. Nosso povo não merece passar por isso. Fora Bolsonaro genocida
Ciro Gomes (PDT)

Por conta das desavenças com o chefe do Executivo, a Polícia Federal abriu um inquérito para investigar Ciro Gomes por crime contra a honra de Bolsonaro. Ciro havia chamado Bolsonaro de "ladrão" durante uma entrevista.

O inquérito foi aberto a pedido do ministro da Justiça, André Mendonça. Ciro chegou a declarar que "não liga" para o tipo de ato, mas que considera "grave a tentativa de Bolsonaro intimidar opositores e adversários".

Entendo que é um ato de desespero de quem vê sua imagem se deteriorar todos os dias pela gestão criminosa do Brasil na pandemia
Ciro Gomes (PDT)

Em contrapartida, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso, enviou à PGR (Procuradoria-Geral da República) uma queixa-crime contra o presidente Jair Bolsonaro e o ministro André Mendonça, apresentada pelo ex-governador Ciro Gomes.

Na queixa, Ciro alega que houve crime da advocacia administrativa de Bolsonaro e Mendonça diante do inquérito aberto para apurar o suposto crime contra a honra de Bolsonaro.

Política