PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Expulso do DEM, Maia diz que sigla diminuiu e compara ACM Neto a inquisidor

8.mar.2018 - ACM Neto (dir.) e Rodrigo Maia (à esq.), durante convenção do Democratas, em Brasília - Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo
8.mar.2018 - ACM Neto (dir.) e Rodrigo Maia (à esq.), durante convenção do Democratas, em Brasília Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

14/06/2021 22h09

Expulso do Democratas sob a justificativa de ter cometido "infração disciplinar", o ex-presidente da Câmara, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o partido "diminuiu" e comparou o presidente nacional da legenda, ACM Neto (BA), a Tomás Torquemada, um inquisidor-geral do final do século XV, conhecido por perseguir judeus, agiotas, homossexuais, entre outros.

"O DEM decidiu me expulsar de seus quadros. O presidente Torquemada Neto, usando o seu poder para tentar calar as merecidas críticas à sua gestão, tomou essa decisão. É lamentável o caminho imposto pelo Torquemada para o partido", escreveu ele, na publicação.

O partido considerou que Maia cometeu uma "infração disciplinar" ao ofender ACM Neto, em meados de maio, quando publicou uma série de ataques ao ex-prefeito de Salvador, a quem chamou de "oportunista" e "sem caráter". A decisão foi unânime — seguindo o voto da relatora, deputada Prof. Dorinha (TO) —, e foi tomada durante reunião da executiva nacional da sigla. (Leia nota abaixo)

Tomás de Torquemada ou O Grande Inquisidor —a quem Maia se refere para atacar ACM Neto nos posts— foi o inquisidor-geral espanhol. Torquemada —que era frade dominicano— queria livrar o reino de heresias religiosas, segundo registros históricos. Desde que fora nomeado inquisidor-geral pelo papa Inocêncio VIII, perseguiu judeus, agiotas, bígamos, homossexuais e bruxas.

Em outra mensagem, ainda nas redes sociais, Maia seguiu fazendo críticas à cúpula da legenda e diz que partido virou "moeda de troca".

"Não só por isso, mas também pela sua deslealdade e falta de caráter, pedi a minha desfiliação. O partido diminuiu. Virou moeda de troca junto ao governo Bolsonaro. Agora é virar a página e juntar forças para um projeto de desenvolvimento do Brasil e em prol dos brasileiros", ressaltou.

Maia estava no DEM desde 2007, ano em que a sigla adotou o nome no lugar de PFL (Partido da Frente Liberal). Ele foi presidente do partido entre 2007 e 2011, além de presidente da Câmara de 2016 até o início deste ano, quando não conseguiu emplacar seu preferido à sucessão no posto, Baleia Rossi (MDB-SP).

Leia, na íntegra, a nota divulgada pelo DEM:

Em reunião realizada nesta segunda-feira (14), a Executiva Nacional do Democratas decidiu expulsar o deputado Rodrigo Maia (RJ) de seu quadro de filiados.

Após garantir o amplo direito de defesa ao parlamentar, os membros da Executiva apreciaram o voto da relatora, deputada Prof. Dorinha.

A comissão nacional, à unanimidade de votos, deliberou pelo cometimento de infração disciplinar, e consequente expulsão do deputado.

Política