PUBLICIDADE
Topo

Política

Temer: Bolsonaro não pediu desculpas a Moraes durante telefonema

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

09/09/2021 18h20Atualizada em 09/09/2021 20h14

A conversa telefônica entre o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes e o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), hoje, foi "rápida, institucional e simplesmente educada", sem pedido de desculpas por parte de Bolsonaro.

A informação foi confirmada ao UOL pela assessoria de imprensa do ex-presidente da República Michel Temer (MDB), que mediou a conversa entre as duas autoridades em Brasília há pouco.

No último dia 7 de setembro, Bolsonaro fez ameaças golpistas, xingando Moraes de "canalha" ao microfone, pedindo sua saída do STF e dizendo que não acataria nenhuma decisão do ministro.

Hoje, dois dias depois, o presidente recuou e divulgou uma carta aberta, que foi escrita junto ao ex-presidente Temer e revisada por seu assessor, que presenciou toda a conversa.

Nela, Jair Bolsonaro baixou o tom, ressaltou a importância do respeito aos três poderes e disse que suas falas "decorreram do calor do momento".

Em entrevista ao programa Brasil Urgente, da Band, Temer contou que Bolsonaro lhe telefonou para conversar sobre a crise entre os Poderes. Na manhã de hoje, relata o ex-presidente, o capitão reformado o convidou para um almoço e mandou um avião da Força Aérea Brasileira trazê-lo à capital federal.

Eu conversei com ele [Bolsonaro] dizendo que era preciso pacificar o país, que o estilo ideal seria uma obediência à harmonia dos poderes, obediência às decisões judiciais, e dar uma palavra de tranquilidade para o país."
Michel Temer ao Brasil Urgente

Segundo relato da assessoria de Temer à reportagem, o ex-presidente teve a ideia e sugeriu a Bolsonaro ligar para o ministro Alexandre de Moraes. A conversa foi "muito rápida" e "institucional", afirma o assessor do ex-presidente.

Temer desembarcou em Brasília já com um esboço da carta, sobre o qual Bolsonaro fez algumas observações. Segundo o ex-presidente, ambos costumam conversar em ocasiões pontuais sobre a conjuntura política e social. "É claro que foi uma surpresa, porque a situação estava muito tensa, muito preocupante".

Boa relação com Alexandre de Moraes

Em 2016, o então ministro da Justiça Alexandre de Moraes conversa com Temer - Pedro Ladeira/Folhapress - Pedro Ladeira/Folhapress
Em 2016, o então ministro da Justiça Alexandre de Moraes conversa com Temer
Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Temer e Moraes nutrem uma amizade de mais de 25 anos. Com atuação na política do estado de São Paulo, os dois são formados em direito com especialização na área constitucional.

Ao assumir o governo federal, após o impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT), Temer anunciou Moraes como seu ministro da Justiça, em 2016.

No ano seguinte, após a trágica morte de acidente aéreo do então ministro Teori Zavaski, Michel Temer indicou Moraes para o cargo de ministro do Supremo.

Como ministro do STF, Moraes anulou decisão judicial que comprometia a vida de Temer, então investigado pela Operação Lava Jato, em abril deste ano.

O ministro apontou incompetência da 7º Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro — em decisão julgada por Marcelo Bretas — para julgar o caso de Temer e do ex-ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, que eram réus no processo.

Política