PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
4 meses

Isa Penna contraria PSOL por ato amanhã: 'Sem desmerecer causas internas'

Gustavo Freitas

Do UOL, em São Paulo

11/09/2021 18h51

A deputada estadual por São Paulo Isa Penna (PSOL) reiterou hoje a decisão de participar de ato amanhã pelo impeachment de Jair Bolsonaro (sem partido) organizado pelo MBL (Movimento Brasil Livre), pelo Vem Pra Rua e também pelo Partido Novo em São Paulo.

A decisão contraria seu partido, que decidiu não apoiar o ato e informar que faz parte da campanha nacional pelo Fora Bolsonaro, que ainda não tem calendário para manifestações.

A assessoria de Isa Penna esclareceu que a deputada informou o partido de sua decisão na quarta-feira, diretamente ao presidente do PSOL, Juliano Medeiros.

"Não tem diálogo com o governo, nossa democracia está correndo risco. O ato bolsonarista no 7 de setembro ameaçou direitos democráticos, e houve uma base fervorosa apoiando. E é por isso que vou sem desmerecer as causas internas do PSOL e as causas internas de outros partidos de esquerda, sei que elas existem em defesa do povo de São Paulo, do povo brasileiro, sou parte disso. Espero que eles não me desmereçam também. Estarei também no dia 2 de outubro", esclareceu a deputada em nota enviada ao UOL.

Após reunião com a executiva, o PSOL emitiu uma nota ontem informando da sua decisão de não apoiar o ato. "Não pouparemos esforços para conquistar a unidade com quem partilha deste objetivo.

No entanto, a Executiva Nacional do PSOL informa que o partido não é organizador, não convoca e nem participará da manifestação do dia 12 de setembro. Nosso partido faz parte da campanha nacional pelo Fora Bolsonaro, que em breve definirá seu calendário".

O ato do MBL, que pedirá o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), divide políticos da esquerda. Além do PSOL, o PT também emitiu comunicado informando que não estará nas manifestações, mesmo sendo a favor do impedimento do presidente. Já Ciro Gomes (PDT) confirmou sua presença.

O MBL ficou marcado por defender o impeachment de Dilma Rousseff (PT) e organizar manifestações contra a então presidente em 2013, 2014 e 2015. A organização sempre se posicionou por causas diferentes das pregadas pelos partidos de esquerda no Brasil. Em 2019, organizou manifestações a favor do juiz Sergio Moro e da prisão em segunda instância.

Além disso, o mote inicial do ato, "Nem Lula nem Bolsonaro", incomodou lideranças de partidos e movimentos sociais à esquerda.

Em seu comunicado, Isa Penna informou que vê as mudanças de posicionamento do MBL como uma possibilidade de frente ampla contra Bolsonaro.

"Vou pela democracia. Sei as muitas ocasiões que o MBL flertou com o autoritarismo. Mas é muito importante que tenham mudado de posição e saído do governo Bolsonaro. Assim como MDB e PSDB também. E como diz o poeta pernambucano Marcelo Mário de Melo: que seja 'uma frente ampla, tão ampla, até doer!'", defendeu a deputada.

Os atos que pedem impeachment de Bolsonaro acontecem em diversas capitais brasileiras. Em São Paulo a manifestação acontece a partir das 14 horas, na Avenida Paulista.

Política