PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Sem máscara, Bolsonaro dirige ônibus elétrico e dá carona a autoridades

Do UOL, em São Paulo

29/11/2021 12h39Atualizada em 29/11/2021 14h53

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) dirigiu um ônibus elétrico na manhã de hoje até o Palácio do Planalto, em Brasília. Ele estava acompanhado pelos ministros Paulo Guedes (Economia), Joaquim Leite (Meio Ambiente), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), além do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ).

Bolsonaro elogiou o veículo, da Marcopolo, empresa multinacional brasileira fabricante de carrocerias de ônibus. O encontro com representantes da empresa não consta na agenda oficial. O UOL questionou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação) se o presidente possui habilitação para dirigir ônibus e o porquê de o encontro não constar na agenda oficial dele e aguarda resposta.

"Como é um protótipo ainda obviamente custa caro, mas a tendência é baixar o preço. Dessa forma nos colaborarmos para mudar ainda mais a forma de se fazer transporte no Brasil e no mundo. Tem tudo para dar certo", disse o presidente, em fala exibida por um canal bolsonarista.

Na avaliação de Guedes, o ônibus elétrico é uma "celebração do empreendedorismo brasileiro". "É o Brasil reagindo com uma tecnologia verde para tentar justamente derrubar o preço do transporte público de massa", declarou o ministro, mesmo após citar um salto nos preços da energia elétrica no mundo inteiro.

Bolsonaro foi além e associou a iniciativa ao valor dos combustíveis, hoje em disparada. "Os preços dos combustíveis estão altos no Brasil, as causas disso são algumas. Isso aqui, ônibus elétrico, vem então para nos ajudar", disse.

Em nota, a Marcopolo informou que o encontro teve como objetivo "apresentar o projeto do ônibus elétrico Attivi e a atuação da companhia no desenvolvimento de modais cada vez mais sustentáveis, a fim de ampliar as alternativas à mobilidade urbana do País com foco na sustentabilidade". A previsão de lançamento do coletivo no mercado é no segundo semestre de 2023.

O mandatário ainda afirmou que o Brasil é um exemplo para o mundo na área ambiental e está em processo de reflorestamento. No entanto, os dados oficiais mostram que o desmatamento na Amazônia está em níveis altos históricos.

Autoridades sem máscara

A maioria das autoridades não usava máscara de proteção contra a covid-19 no coletivo — pelas imagens, é possível ver que Guedes usava o acessório. O uso de máscara é obrigatório nos ônibus no Distrito Federal, em razão da pandemia da covid-19.

Ao chegar ao Palácio do Planalto, o presidente, em um gesto incomum, decidiu utilizar a rampa para se dirigir ao seu gabinete.

A Secom somente avisou a imprensa de que o presidente utilizaria a rampa do Planalto minutos antes da chegada de Bolsonaro.

*Com Estadão Conteúdo.

Política