PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro tem medo porque este governo é muito ruim, diz Moro

O ex-juiz Sergio Moro disse que só aceitou o convite para integrar o governo do presidente Jair Bolsonaro porque viu a chance de melhorar o Brasil - ADRIANO MACHADO
O ex-juiz Sergio Moro disse que só aceitou o convite para integrar o governo do presidente Jair Bolsonaro porque viu a chance de melhorar o Brasil Imagem: ADRIANO MACHADO

Colaboração para o UOL

07/12/2021 11h59Atualizada em 07/12/2021 12h26

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e pré-candidato à Presidência da República Sergio Moro (Podemos) rebateu hoje as críticas do presidente Jair Bolsonaro (PL), que em tom de deboche afirmou a apoiadores que o ex-juiz não aguentaria "dez segundos de debate".

"Quando ele faz essas estripulias, seja em relação a mim ou qualquer pessoa, ele quer que esqueçam da inflação, que ele desmantelou o combate à corrupção. Este governo é muito ruim. Este governo é tão ruim porque, normalmente, é muito fácil um governo se reeleger. Você está na máquina. Se você faz um governo minimamente bom, você consegue se reeleger. O presidente está com medo. Com isso, quer ficar desviando o foco das pessoas", avaliou, à rádio Nova Brasil FM.

Moro também disse durante a entrevista que aceitou o convite para integrar o governo Bolsonaro porque viu a chance de melhorar o Brasil: "O presidente era uma pessoa controvertida por declarações, mas aquelas declarações eram tão malucas que ninguém acreditava que poderia virar política pública."

"Quando o presidente mostrou que não tinha compromisso com as pautas que eu acreditava que eram corretas, e o país entende como corretas, eu saí. Se quisesse, podia ter ficado até hoje com o prestígio do cargo de ministro, mas sem alma", completou.

Bolsonaro volta a atacar

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar Sergio Moro ontem, o acusando de ter trabalhado "contra" o governo na época em que era ministro da Justiça e Segurança Pública, entre janeiro de 2019 e abril de 2020.

Ele também minimizou uma eventual candidatura do ex-juiz à Presidência em 2022, dizendo que Moro "não aguentaria dez segundos de debate" — em 2018, quando candidato, Bolsonaro participou de apenas dois debates, um na Band e o outro na RedeTV!.

"Moro falou que podia ser mais rígido, me peitar mais durante a questão das portarias sobre armamento. Como é que o cara aceita trabalhar comigo sabendo que sou armamentista e depois trabalha contra? Ele trabalhou contra por muito tempo, descobri mais tarde. Tinha que ter caráter, né?", disse o presidente em conversa com apoiadores.

"Para tentar copiar meu [slogan de campanha] 'Brasil acima de tudo, Deus acima de todos', ele [Moro] botou 'o povo acima de tudo'. Esse não aguenta dez segundos de debate", criticou Bolsonaro.

Política